Herodes, o Grande “mandou matar todos os meninos de Belém e de todos os seus arredores, de dois anos para baixo” (Mateus 2:16).

Massacre dos Inocentes é um episódio de infanticídio pelo rei da JudeiaHerodes, o Grande, que aparece no Evangelho de Mateus (Mateus 2:16-18). O autor, tradicionalmente Mateus, reporta que Herodes teria ordenado a execução de todos os meninos da vila de Belém para evitar perder o trono para o recém-nascido “Rei dos Judeus”, cujo nascimento fora revelado para ele pelos Três Reis Magos. O incidente, como outros descritos em Mateus, é descrito como a realização de uma passagem no Antigo Testamento, entendida como uma profecia de Jeremias:

“ Então se cumpriu o que foi dito pelo profeta Jeremias: Ouviu-se um clamor em Ramá, Choro e grande lamento; Era Raquel chorando a seus filhos, E não querendo ser consolada, porque eles já não existem. ”

— Mateus 2:16-17, citando Jeremias 31:15.

Os meninos, conhecidos na Igreja como “Santos Inocentes”, já foram chamados de os primeiros mártires cristãos.

Os dados brasileiros são quase 10 vezes o registrado nos Estados Unidos para o grupo de zero a 18 anos

No Brasil do presidente Jair Messias Bolsonaro, recém nascidos também estão sendo massacrados pela covid-19. Assim como Herodes, Bolsonaro tem sua assinatura neste infanticício. O  presidente que desde o início da pandemia foi contra a vacina, o isolamento social, o uso de máscaras e álcool em gel. Sua atitude negacionista influenciou milhões de brasileiros a ignorarem os riscos do covid-19, e o resultado é a tragédia que se abateu sobre 310 mil brasileiros, quase 900 deles, bebês.

Infanticídio

 Apesar de não serem considerados grupo de risco da covid-19, ao menos 899 bebês, com menos de um ano, foram vítimas da doença no Brasil no ano passado. O dado consta do Painel de Excesso de Mortalidade no Brasil e foi divulgado pela organização de saúde Vital Strategies. Os pesquisadores consideram a quantidade de mortes de bebês pela covid-19 assustadora. E avaliam que a falta de protocolos de atendimento para grávidas e recém-nascidos pode explicar a elevada mortalidade. Além disso, incluem as fragilidades no sistema de saúde como uma das causa dos óbitos. O painel ainda aponta que, ao longo de 2020, 11.996 bebês foram internados em decorrência da covid-19. E 124 grávidas perderam a vida por causa da doença do novo coronavírus. A taxa é uma das mais altas do mundo.
De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, os dados brasileiros são quase 10 vezes os registrados nos Estados Unidos para o grupo de zero a 18 anos. O país é o que concentra mais mortes pela covid, com cerca de 551 mil vidas perdidas. Já o Brasil é segunda nação com o maior número de óbitos, mais de 321 mil. Com base nas informações do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC), durante o primeiro ano da pandemia, contudo, foram registradas 103 mortes pela covid-19 entre essa faixa etária, incluindo bebês.
Pesquisa da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) indica ainda que, em números absolutos, 1.203 crianças e adolescentes brasileiros foram vitimas da covid-19 no ano passado. E, até o início de março de 2021, mais 121 vieram a óbito devido a doença.
Confira reportagem da TVT

 

 

 

Leia também:

 

O Homem que Matou os Bebês