Arthur Lula da Silva, de sete anos, neto do ex-presidente Lula morreu na tarde desta sexta-feira, vítima de meningite meningocócica. A defesa do ex-presidente irá solicitar à Justiça permissão para que o avô possa ir ao enterro.

 

O advogado Ricardo Zanin apresentou um pedido à Justiça Federal do Paraná para que Lula  possa ir ao velório do neto.  Arthur Lula da Silva deu entrada no Hospital Bartira, em Santo André, no ABC Paulista,  às 7h20 da manhã e foi a óbito às 12h36. Ele era filho de Marlene Araújo e Sandro Luiz, o filho mais novo de Lula com a também já falecida ex-primeira Dama da República Marisa Letícia.

A defesa do ex-presidente observa que de acordo com o inciso primeiro, do artigo 120 da Lei de Execuções Penais, condenados que cumprem regime fechado, caso de Lula, podem “obter permissão para sair do estabelecimento, mediante escolta”, no caso de “falecimento ou doença grave do cônjuge, companheira, ascendente, descendente ou irmão”, aponta.

A ex-presidenta Dilma Roussef (PT) prestou condolências pelas redes sociais. “Minha imensa solidariedade a Lula e sua família, face a imensa dor que se abate hoje sobre eles. Meu pesar pelo falecimento de Arthur, neto querido e filho amado, vítima de meningite aos 7 anos. Uma criança maravilhosa. Meu abraço cheio de força, carinho e afeto a Marlene e ao Sandro. Nessa hora de tragédia e de dor, desejo serenidade e paz à família de Lula pra enfrentar tamanha perda”, escreveu.

Pelo Twitter, a presidente do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), lamentou. “Presidente Lula perdeu seu neto hoje. Que tristeza. Arthur tinha 7 anos e foi vítima de uma meningite. Força presidente, estamos do teu lado, sinta nosso abraço e solidariedade. Faremos de tudo pra q vc possa vê-lo. Força a família, aos pais Sandro e Marlene. Dia muito triste”, declarou.

.