Morreu em Mato Grosso no sábado, aos 54 anos de idade, o deputado Silvio Fávero, do PSL, um advogado e dono de terras que se elegeu na onda do bolsonarismo em 2018 e que defendia o tratamento precice com cloroquina e ivermectina.

Do Viomundo

Ele estava no sexto partido de sua carreira política, que incluiu a vice-prefeitura numa das capitais do agronegócio, Lucas do Rio Verde.

Fávero era defensor do tratamento preococe com a cloroquina e a ivermectina, remédio contra vermes também recomendado pelo presidente Jair Bolsonaro.

 

“Senhores prefeito, senhores governador, distribui o kit, prevenção não faz mal nenhum”, ele disse em discurso na Assembleia Legislativa de Mato Grosso, colocando em dúvida o número de mortos pela covid.

Há cinco dias, uma mensagem foi publicada no perfil do deputado no Facebook:

“Não coloque limites nos seus sonhos! Coloque FÉ!” Em nome da família SF, agradecemos por todas as mensagens carinhosas e pelas orações! DEUS É MAIOR! VAMOS VENCER!”

Fávero havia sido internado no dia 4 em Lucas do Rio Verde e intubado no dia 7 por causa de dificuldades respiratórias. Apesar de relativamente jovem, ele resistiu menos de dez dias.

Ontem a assessoria de comunicação do deputado publicou nota:

O deputado estadual Silvio Fávero faleceu no início da tarde, em Cuiabá, onde lutava bravamente contra a covid-19. O quadro de saúde se agravou nesta madrugada chegando ao quadro de infecção generalizada. A família do deputado estadual Silvio Fávero agradece por todas as orações e manifestações positivas pelo pai, filho, marido, amigo, servidor Silvio Fávero, que deixa um grande legado de trabalho, alegria e amor pela vida por onde passou. Silvio Fávero deixa muitos amigos, muito serviço prestado por Mato Grosso, sua mãe Angélica, esposa Katia e três filhos: Gabriel, Gustavo e João Ricardo. Deus receba em paz nosso grande guerreiro, que bravamente lutou pela vida e hoje, com muita fé em Deus, segue aos braços do Pai Maior.

 

Leia também:

João Paulo Rillo, sobre Lula e Marisa: “Como essa família sofreu com a execração pública praticada por gente reacionária e sórdida!”