Faleceu, no último dia 04 de abril, o ambientalista Cássio Beda, 36, vítima da intoxicação por mercúrio oriundo do garimpo ilegal na região Norte do pais. O indigenista viveu no Alto Tapajós por dois anos apoiando o povo Munduruku e acabou desenvolvendo a Síndrome de Minamata de forma aguda.

Martha Raquel – do Brasil de Fato

“Eu fiquei bastante tempo na cidade de Itaituba (PA), neste período de 2016, e eu comecei a sentir alguns sintomas de fraqueza, principalmente nas pernas. Eu tinha dificuldade para subir e descer escadas, comecei a sentir as mãos e pés adormecerem e passei a ter mais câimbra”, explicou o ambientalista no documentário “De Minamata ao Tapajós: um alerta sobre a contaminação de mercúrio na Amazônia”, produzido em 2017.

Com dificuldades de locomoção e na fala, ele contou que em Santarém não há estrutura de equipamentos e médicos especialistas que possam identificar a doença. Seu diagnóstico foi registrado somente em São Paulo, quando ficou 10 dias internado realizando uma bateria de exames.

::Garimpo ilegal desmatou o equivalente a 500 campos de futebol na TI Yanomami em 2020::

“Em Santarém, sabíamos apenas que uma das hipóteses era a presença de metal pesado no organismo. Nessa época eu ainda andava sem ajuda, estava bem melhor que hoje. Houve uma dificuldade grande de fazer o diagnóstico, mas hoje sabemos que foi intoxicação pelo mercúrio através da exposição e consumo de peixes contaminados”, explicou na época.

Beda não consumia carne vermelha ou de frango, então boa parte da sua alimentação era composta por peixes da região. Ele foi classificado com provável esclerose lateral amiotrófica – ELA, doença sem cura e progressiva que leva à morte em poucos anos. Cássio foi o 15º paciente com ELA que perdeu a vida em decorrência da contaminação por mercúrio.

A Síndrome de Minamata causa dormência e formigamento nas mãos, pés e boca; fraqueza; dificuldade de caminhar; descoordenação motora; descontrole dos reflexos; insônia; embaralhamento e problemas de movimentação nos olhos, surtos psiquiátricos e agitação generalizada.

Beda era tecnólogo em Saneamento Ambiental pela UNICAMP e Mestre em Ciências pelo programa de Saúde Pública da EERP/USP. Antes de falecer, ele explicou que seu caso era considerado agudo porque houve um grande consumo de peixes contaminados em pouco tempo. Na região, alguns dos peixes com maior contaminação são tucunaré, dourado, filhote, sarda e surubim.

::Governo Bolsonaro atua para forjar apoio popular à mineração em terras indígenas::

Já os moradores nativos da região, geralmente apresentam um quadro crônico, uma vez que consomem menos peixes, com intervalo maior mas por mais tempo. Ele demonstrava grande preocupação também com as mulheres grávidas e seus bebês, que são diretamente afetados pelo mercúrio na região.

Todos os Munduruku estão contaminados por mercúrio no Brasil

Pense na água que você bebe e que usa para tomar banho. Pense também na sua comida, suas frutas, legumes e verduras. Preste atenção ao solo onde você pisa e ao ar que você respira. Agora, imagine tudo isso contaminado por mercúrio, substância tóxica para humanos. Essa é a realidade de todos os indígenas da etnia Munduruku na região do médio Tapajós, no Pará.

Em dezembro de 2020, um estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) sobre os impactos do mercúrio em áreas protegidas e nos povos da floresta Amazônica revelou que 100% dos indígenas Munduruku estão contaminados pelo mercúrio do garimpo.

A substância é utilizada no garimpo do ouro para facilitar o processo de separação de partículas e é tóxica para a vida humana e para o meio ambiente. Metal pesado altamente tóxico, os danos causados pela contaminação com mercúrio costumam ser graves e permanentes.

Vítimas da atividade garimpeira há mais de 70 anos, os indígenas do território localizado no médio rio Tapajós, entre os municípios paraenses de Itaituba e Trairão, enfrentam uma situação grave de abandono e negligência.

Indígena Munduruku, do município de Itaituba, no Pará / Leonardo Milano

“Seu trabalho, suas denúncias e sua luta não serão esquecidos”

Maria Augusta Torres, do Instituto SocioAmbiental (ISA), lamentou o falecimento do companheiro de trabalho.

“Foi no fim de 2014 quando Cássio e eu chegamos para trabalhar no Instituto Socioambiental (ISA) em Altamira, no Pará. Havia duas vagas para o trabalho com as comunidades beiradeiras das Reservas Extrativistas da Terra do Meio e nós éramos os candidatos. Viajamos por 40 dias por todos os cantos do Rio Xingu, Rio Iriri e Riozinho do Anfrísio, junto com Augusto Postigo, nosso então coordenador de campo e Nin, o piloto da voadeira. Nessa nossa primeira e intensa aventura amazônica juntos, pude conhecer um menino simples, sereno, determinado, de alma caridosa e um coração gigante!

Ele já havia trabalhado, pelo Núcleo de Apoio à População Ribeirinha da Amazônia (NAPRA), com populações ribeirinhas em Rondônia. Além de todo conhecimento como tecnólogo de saneamento ambiental, que aplicava nos seus trabalhos pela Amazônia, Cássio tinha um dom nato de cuidar das pessoas ao seu redor. Acredito que por saber e gostar dessa sua característica, foi fazer mestrado na área de enfermagem em saúde pública pela Universidade de São Paulo (USP).

Capoeira angola que era, Cássio vivia lutando por um mundo socialmente mais justo e ambientalmente saudável, sempre com o ritmo leve e alegre do toque do seu berimbau.

Quando Cássio partiu de Altamira estava determinado a se embrenhar em lutas ainda maiores junto aos povos da Floresta na Amazônia. Foi então que encontrou seu caminho junto ao povo Munduruku, quando foram guerreiramente fazer a autodemarcação da Terra Indígena Sawré Muybu e lutar contra as inúmeras invasões e ameaças que ainda sofrem os povos indígenas no Brasil. Durante essa vivência, Cássio se contaminou com a grande quantidade de mercúrio jogada nas águas do Rio Tapajós pelos garimpos ilegais.

Com a síndrome de Minamata avançada em seu corpo, doença degenerativa, nosso amigo ainda lutava fazendo vídeos de denúncia sobre as atividades predatórias que destroem e matam não só a biodiversidade das florestas, mas também as pessoas que ali vivem. Cássio faleceu no último domingo (4), em decorrência da intoxicação por mercúrio.

Cássio Freire Beda foi mais uma vítima do projeto de destruição da Amazônia. Seu trabalho, suas denúncias e sua luta não serão esquecidos.

Nossos profundos sentimentos à família e a todos amigos e amigas que compartilharam de sua companhia”. 

Em nota, a Faculdade de Tecnologia da Unicamp  também lamentou a morte de Beda.

“A Faculdade de Tecnologia lamenta profundamente o falecimento do Tecnólogo em Saneamento Ambiental Cássio Freire Beda, ocorrido em 04/04/2021. O Cássio ingressou no Ceset (atual FT) na turma de 2008, concluindo o curso em 2011. Cursou o Mestrado em Ciências, na área de Enfermagem em Saúde Pública na USP, e após foi trabalhar em Tapajós, onde se intoxicou com mercúrio devido à ingestão de peixes contaminados pelas atividades do garimpo, tendo desenvolvido a Síndrome de Minamata.

Em sua atuação como Tecnólogo, Cássio foi trabalhar no Instituto Socioambiental, ISA, Brasil, em 2014. Sua atuação era ligada a trabalhos desenvolvidos na área de gestão territorial, extrativismo e associativismo na Terra do Meio – Pará em unidades de conservação com comunidades ribeirinhas prioritariamente e também com indígenas”. 

 

 

Edição: Vinícius Segalla