Morreu neste sábado (9), o gênio negro que criou o ritmo que marcou os EUA.

O filho do músico, Danny Jones Penniman, afirmou que a morte foi decorrente de um câncer.

Nascido Richard Penniman na Geórgia, em 1932, iniciou sua série de sucessos com Tutti Frutti em 1956, seguindo-se canções como Long Tall Sally e Rip It Up, naquele mesmo ano, e Lucille em 1957 e Good Golly Miss Molly, em 1958.

 

Racismo

A persona de palco de Little Richard – com maquiagem andrógina e camisas de paetê – também estabeleceu o padrão para a exibição de rock and roll; Prince, por exemplo, só foi o que foi pois Little Richard veio antes dele, abrindo o caminho.

“Como muitos artistas negros, Little Richard lutou contra o racismo. Nos anos 50, ele disse isso sobre usar maquiagem para se apresentar em locais brancos: ‘Eu usava maquiagem para que os homens brancos não pensassem que eu estava atrás das meninas brancas. Isso facilitou as coisas para mim, além de dar um colorido também’”, postou no Twitter a jornalista Adrienne Lawrence.

A ex-âncora da ESPN estadunidense lembra ainda outra citação de Richard, explicando a origem de sua inspiração inicial para compor. “Os negros viviam bem perto dos trilhos da ferrovia, e o trem sacudia suas casas à noite. Eu ouvia isso quando menino e pensava: vou fazer uma música que soe assim.”

Em 1956, ele estava trabalhando como lavador de  pratos, um trabalho que ele havia assumido alguns anos antes, depois que seu pai foi assassinado e Little Richard teve que sustentar sua família, e até então apenas uma faixa que ele havia gravado, “Little Richard’s Boogie”, sugeria o tornado musical por vir.

“Eu coloquei essa coisinha”, ele disse à Rolling Stone em 1970 sobre a maneira como mexeu com suas raízes evangélicas. “Eu sempre tive isso, mas não sabia o que fazer com o que tinha”.

Nessa época, ele enviou uma fita com uma versão grosseira de uma nova música chamada “Tutti Frutti” para a Specialty Records em Chicago. Ele criou o famoso refrão da música – “wop bob alu bob um wop bam boom” – enquanto estava entediado de lavando louça. Ele também escreveu “Long Tall Sally” e “Good Golly Miss Molly” enquanto trabalhava no mesmo trabalho. As músicas entraram para a história do rock.

Quando eu cheguei, nunca tinha ouvido nenhum rock’n’roll”, ele disse à Rolling Stone em 1990. “Quando comecei a cantar [rock’n’roll], cantei muito antes de apresentá-lo ao público porque estava com medo de que não gostassem. Nunca ouvi ninguém fazer isso e fiquei com medo”, revelou.

Richard influenciou gerações de artistas como Paul McCartney e Mick Jagger, que já falaram sobre a importância de Richard em suas trajetórias, e teve canções gravadas por Elvis Presley e Beatles. Foi considerado pela revista Rolling Stone o 12º maior cantor de todos os tempos, em uma lista com cem nomes.

O menino negro e pobre do racista Estado da Georgia criou o ritmo que fez os brancos rebolarem nos EUA e na Inglaterra. Elvis Presley copiou Little Richard descaradamente no modo de cantar e dançar e virou “o rei” do rock in roll. Usurpou a coroa, mas n u nca teve a majestade de Richard.

Com informações da RBA e R7.