Pamela Oliveira – Brasil de Fato – Neste sábado (4), em coletiva de imprensa sem a presença do ministro Luiz Henrique Mandetta, o Ministério da Saúde divulgou os dados atualizados da pandemia de coronavírus no Brasil. São 10.278 casos confirmados e 432 mortes pela doença. O órgão informou que, nos próximos dias, haverá uma mudança na fase epidêmica, com uma “aceleração descontrolada” dos casos.

“Estamos nos precavendo, já assumindo que a curva será rápida como na Itália”, declara secretário-executivo de Saúde, João Gabbardo dos Reis – Marcello Casal Jr/Agência Brasil

:: O que você precisa saber sobre o coronavírus

Nas últimas 24 horas, foram 1.222 novos casos, um aumento de 13% em relação ao dia anterior, e 73 mortes confirmadas. São 20% mais mortes do que na sexta-feira (3). Segundo o boletim epidemiológico, das 360 mortes com investigações concluídas, 67 pessoas não eram idosas e 76 não possuíam outra doença, ou seja, estavam excluídas dos grupos de risco.

Apesar do aumento expressivo no número de casos e mortes, o Ministério da Saúde não quis falar em cenários possíveis a longo prazo e “torce” para que o Brasil “dê conta” das próximas fases. “A projeção é de 20% a 30% acima da base consolidada no dia anterior”, explicou o secretário-executivo da Saúde, João Gabbardo dos Reis, que conduziu a coletiva.

:: Como saber se você está inscrito no Cadastro Único ::

Aceleração descontrolada

Conforme informou o Ministério da Saúde, nos próximos dias é prevista uma mudança na fase epidêmica para quatro estados (São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará e Amazonas) e o Distrito Federal. “Nós já prevíamos desde o início, pois são os estados em que há uma relação de viagens maior”, relatou Gabbardo.

“Começamos a entrar numa fase de crescimento, de uma curva íngreme de novos casos. Estamos numa transição da primeira frase, de transmissão localizada, e percebendo que em alguns locais estamos na fase de aceleração descontrolada, com um número muito maior de casos”, declarou o secretário.

Segundo Gabbardo, a expectativa é que, com a chegada do inverno, os estados da região Sul entrem na fase de aceleração descontrolada em junho. “Neste momento, a preocupação é que a gente tenha a maior capacidade possível de leitos de UTI, de equipamentos de proteção individual e de pessoas para dar conta da demanda”, disse.

O secretário declarou ainda que tem dúvidas a respeito do cenário que se apresenta para o Brasil nos próximos meses. “Se você me perguntar se tudo isso vai dar conta, eu vou te responder: ‘Há algum país que conseguiu conter essa ‘pane’?’. E o Brasil não vai enfrentá-la? Vamos torcer para que ela não aconteça.”

A perspectiva apresentada pelo Ministério de Saúde é de que enfrentemos uma situação cada vez mais crítica pela convergência de doenças e epidemias características desse período no país, como a dengue, a gripe e o sarampo. Segundo Gabbardo, as “tensões acumuladas” devem “forçar muito” o sistema de saúde nacional.

Avanço do coronavírus

Com o crescimento no número de casos, o Brasil superou a Coréia do Sul e assumiu a 16° posição em número de infectados pela covid-19 no mundo, que já chega a 1,8 milhão, segundo dados da Universidade John Hopkins. Em relação à letalidade, com uma taxa nacional que saltou de 3,2% para 4,2% em sete dias, o Brasil passa para a oitava posição entre as 181 nações atingidas pelo vírus. No mundo, a taxa de letalidade média da doença é de 5,4%.

“Estamos nos precavendo, já assumindo que a curva será rápida como na Itália”, apontou o secretário. No momento, a Itália está em terceiro lugar em número de casos, com mais de 124 mil pessoas infectadas, mais de 15 mil mortes e com uma taxa de letalidade superior a 12%.

Na visão do Ministério da Saúde, o isolamento social neste momento deixa o Brasil em vantagem em relação a outros países no combate ao coronavírus. Isso porque, segundo Gabbardo, o distanciamento evita que todas as pessoas contraiam o vírus ao mesmo tempo, o que sobrecarregaria o sistema de saúde. “O Brasil teve a sorte de poder se preparar da melhor maneira possível. Talvez essa seja a grande diferença do que acontecerá em relação aos outros países”, avaliou.

Edição: Camila Maciel