Presidente Arthur Lira (PSL-AL) disse que nenhum indivíduo é maior que as instituições. “Baculejo” na cela do deputado miliciano descobre dois celulares, e caso é informado ao STF

Segundo a jornalista Juliana Barbosa do Metrópoles,  a Mesa Diretora da Câmara dos Deputados pediu ao Conselho de Ética, como penalidade ao deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), a cassação do mandato, sem previsão de suspendê-lo por algum prazo. O parlamentar está detido desde a última terça-feira (16/2), após publicar vídeo no qual ameaça ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

A Câmara decidirá, em votação no plenário, se autoriza a prisão do parlamentar, mas a data ainda não foi estipulada. O deputado passa por audiência de custódia nesta quinta-feira (18/2). O juiz poderá revogar ou converter a prisão em preventiva ou temporária.

Silveira foi preso na terça-feira (16/2), depois de ter publicado na segunda (15/2) vídeo em que ofende os 11 magistrados do STF, critica a Suprema Corte, e menciona o Ato Institucional 5, da ditadura militar. Silveira deixaria a prisão e, em contrapartida, assim que fosse liberado, iria licenciar-se do cargo até o Conselho de Ética da Câmara dos Deputados decidir qual punição lhe será aplicada. O processo lhe custaria cerca de seis meses de mandato.

Baculejo

Segundo matéria da CNN foram apreendidos dois celulares durante vistoria dentro da cela do deputado Daniel Silveira nesta quinta-feira (18). Polícia Federal informou ao STF sobre a apreensão. Haverá abertura de inquérito para apurar como ele mantinha os telefones mesmo após a prisão em flagrante na noite de terça-feira (16).

 

Sinalização

Em declaração publicada no site da Agência Câmara, o presidente da Casa, deputado, Arthur Lira (PP-AL), defendeu as instituições e afirmou que elas estão acima de qualquer indivíduo e são permanentes. Lira relembrou ainda frase célebre do ex-primeiro ministro inglês Winston Churchill que afirmava que a democracia é a pior forma de governo, com exceção de todas as demais.

A Câmara tem buscado uma saída para evitar desgaste entre os poderes após a prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) a mando do ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes.

“Todos, na vida pública, somos transitórios. E nosso maior dever, nossa maior missão, é ter a consciência de que nós não somos as instituições. As instituições são permanentes. As instituições ficarão. Nesse sentido, não haverá nunca crise entre as instituições, sobretudo quando há a exata compreensão de que elas são maiores do que qualquer indivíduo”, disse Lira nesta quinta-feira em suas redes sociais.

Fonte: Agência Câmara de Notícias, DCM, CNN e Metrópolis