Movimento apoiou o golpe contra Dilma, a Lava Jato, a eleição de Bolsonaro, usou de abusou de fake news contra adversários, acusando tudo e todos de corrupção.

O ativista Carlos Augusto de Moraes Afonso, que se apresenta na rede como Luciano Ayan, foi preso nesta manhã, em São Paulo.

Ele tem uma trajetória antiga na rede social. Já apoiou as causas de Jair Bolsonaro, inclusive teve atuação destacada na campanha de difamação contra a vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio de Janeiro em 2018, por milicianos suspeitos de ligação com a família do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Segundo o Ministério Público do Estado de São Paulo e a Polícia Civil de São Paulo, que realizaram a operação nesta manhã,  Carlos Augusto ou “Ayan” é suspeito de lavagem de dinheiro e ocultação de patrimônio. Também foi preso Alessander Mônaco Ferreira. Eles são acusados de terem desviado mais de R$ 400 milhões de empresas.

Carlos Augusto, o “Luciano Ayan”, é dono da página Ceticismo Político, que foi retirada do ar neste sábado pelo Facebook, porque constatou que o perfil “Luciano Ayan”, que administrava a página, era falso. A página Ceticismo Político foi apontada em estudo da Universidade Federal do Espírito Santo como a grande impulsionadora das falsas acusações contra a vereadora do PSOL, Marielle Franco que tomaram conta das redes sociais horas após  seu assassinato nas mãos de milicianos, que possuem laços de amizade com a família Bolsonaro.

A sede do MBL (Movimento Brasil Livre), na Vila Mariana, em São Paulo,  também foi alvo de mandado de busca e apreensão. Em 2016 o MBL surgiu como suposto movimento da sociedade civil, conservador e de direita, que participou ativamente das manifestações pelo golpe contra a presidenta Dilma Roussef (PT). Seus membros se diziam contra a política, mas dois deles buscaram mandato. Kim Kataguiri foi eleito deputado federal pelo DEM e  Fernando Holiday foi eleito vereador na Câmara Municipal de São Paulo.

Dois membros do Movimento Brasil Livre (MBL) foram presos na manhã desta sexta-feira 10/VII em operação realizada pela Polícia Civil, pelo Ministério Público de São Paulo (MP-SP) e pela Receita Federal.

Na operação, denominada “Juno Moneta”, as autoridades cumprem seis mandados de buscas e apreensão e dois de prisão na cidade de São Paulo e em Bragança Paulista, no interior do estado.

Ao UOL, o deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) confirmou os mandados de busca e apreensão na sede do grupo, mas negou que os detidos sejam membros do MBL.

“Alessander Monaco Ferreira e Carlos Augusto de Moraes Afonso não são integrantes e sequer fazem parte dos quadros do MBL. Ambos nunca foram membros do movimento. Uma notícia veiculada de maneira errônea por um portal criou tal confusão”, disse o deputado.

 “Quem com ferro fere, com ferro será ferido”
Na sua caminhada insana pelo golpe de 2016 e pela eleição do presidente Jair Bolsonaro o MBL manchou reputações. Usou e abusou de fake news nas redes sociais para acusar  de corrupção os adversários – principalmente petistas, socialistas, comunistas e democratas que não se alinhavam ao seu pensamento fascista. O MBL apoiou o lavajatismo do ex-juiz Sérgio Moro e do procurador Deltan Dallangol, que se vendia como uma cruzada para combater a corrupção, mas a história mostra que era também um movimento político, com interesses pessoais, inclusive pecuniários, conforme revelaram as matérias sobre o alinhamento da Lava Jato ao Departamento de Estado dos Estados Unidos.

Bolsonarismo, “emebelismo”, lavajatismo são o que são: movimentos fascistas, e a primeira vítima do fascismo é a verdade. Em nome dos seus interesses políticos os fascistas atacam a honra dos adversários, mancham reputações, utilizam-se de acusações falsas, utilizam o vale-tudo para chegar ao poder. Quando assumem o mando, exercem este poder  da forma mais corrupta e desavergonhada. Hitler, Mussolini e Bolsonaro estão aí para mostrar como a coisa funcional.

A luz do sol é o melhor antisépito.

O Mestre dos Mestres disse: “A verdade vos libertará”. Seja bem vinda a verdade. O Brasil mais do que nunca precisa dela.

Com informações do G!, DCM, Conversa Afiada e UOL.