Um casal de Goiânia foi preso na madrugada de segunda-feira (2) em Pirenópolis após ameaçarem e danificarem o carro de agentes de saúde que faziam ronda para coibir aglomerações no município.

A médica Fernanda Alice Coelho Quintian (26) e o engenheiro Alan César da Silva Rosa Júnior (27) foram soltos após pagarem fiança de R$ 5 mil cada.

“Vocês sabem com quem estão falando? Eu sou médica, minha mãe é juíza e meu pai é delegado. Vocês não sabem com quem estão se metendo”, disse a mulher ao ser abordada, segundo a PM.

A discussão começou após o casal se irritar com uma agente da Saúde que pediu aos jovens que retirassem o carro do meio da rua, pois estava bloqueando o trânsito.

O namorado da jovem desceu do carro em direção aos servidores e deu um soco no para-brisa do veículo da prefeitura, que ficou com o vidro trincado. “A intenção dele era me bater, tipo ‘desce do carro e vem para a briga”, relatou a agente de saúde.

Segundo a coordenadora de fiscalização de Pirenópolis, Tâmara Alves, que dirigia o carro da prefeitura na ocasião, ela ficou assustada com a reação do rapaz. “O meu medo era ele tirar um revólver e atirar na gente”, contou.

(Imagem da viatura danificada pelo casal)

Com medo das ameaças, os servidores deixaram o local e acionaram uma equipe da Polícia Militar, que localizou o casal em seguida.

“A moça ainda disse que o pai era delegado e que iria cuidar dela de ‘modo obscuro’ e que sentia muito orgulho isso”, reiterou a agente de saúde.

Segundo relato dos policiais, o casal desobedeceu a ordem de descer do carro e ameaçou a equipe da PM. Ainda segundo a corporação, os turistas estavam visivelmente embriagados e se recusaram a fazer o teste do bafômetro.

Como a jovem e o namorado dela tentaram resistir à abordagem, ambos foram algemados e conduzidos à delegacia. Os dois foram autuados por desacato, ameaça, dano ao patrimônio público e por dirigir sob a influência de álcool.

“Em momento algum eles colaboraram. Infelizmente foi preciso algemar os dois. A todo momento ele dizia ao comandante ‘com quem você pensa que está falando? Eu sou engenheiro’. Sempre desrespeitando a equipe, dizendo ‘o que essas meninas estão fazendo aqui, a essa hora da madrugada?’”, relatou um policial que atendeu a ocorrência.

Fonte: Pragmatismo Político