Apelidado nas redes sociais de “General Pesadelo”, devido as 272 mil mortes por Covid-19 registeadas no Brasil, o ministro da Saúde  cai após o discurso do ex-presidente Lula sobre a má condução do governo federal na pandemia.

A médica anapolina Ludhmila Hajjar, reuniu-se neste domingo com o presidente Jair Bolsonaro e pode substituir o general Eduardo Pazuello no ministério da Saúde. Um dos padrinhos do encontro foi o presidente da Câmara Federal, deputado Arthur Lira  (PP-AL) que elogiou a competência da profissional de saúde.

Pelo twitter Ludhmila confirmou a reunião:

Ludmila formou-se em medicina na Universidade de Brasília, em 2000. Ainda de acordo com o currículo, ela também é médica supervisora da área de Cardio-Oncologia do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e coordenadora de cardiologia do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo. Nas eleições de 2018 ele contribuiu na campanha do também médico Ronaldo Caiado,  coordenando o Plano de Saúde do então candidato a governador.

A foto está no instagram da médica e foi feita em SP

Ludhmila atua na linha de frente no combate à Covid e recentemente criticou a eficácia no combate ao vírus. “O Brasil deveria estar hoje com cinco ou seis vacinas disponíveis. E o Brasil não fez isso. Mas ainda dá tempo de fazer. E é o que temos cobrado incessantemente”, disse ela à CNN Brasil no dia 7 de março.

Ela completou dizendo que o “Brasil está fazendo tudo errado na pandemia”.

 

Leia também:

Médico do Incor, “mais bolsonarista ” também é citado para a Saúde