Desde o início do isolamento social intermitente, 95% das 53 mil atividades econômicas no município aderiram ao revezamento de abertura e fechamento. Neste período, apenas 380 estabelecimentos foram autuados.

Começou neste domingo, 5 de julho, a aplicação das regras do cenário laranja-risco alto em Aparecida de Goiânia. Neste cenário, cada macrozona fecha duas vezes de segunda a sexta-feira e a cidade inteira fecha aos sábados, a partir das 13 horas, e aos domingos o dia todo. A medida tem como objetivo reduzir o fluxo de pessoas nas ruas e conter o avanço da transmissão do coronavírus na cidade, preservando vidas, conforme orienta a Organização Mundial da Saúde.

Neste modelo de isolamento social intermitente, aplicado efetivamente de forma escalonada – em quatro cenários – verde, amarelo, laranja e vermelho – e por macrozonas, dividiu Aparecida em 10 regiões. E, no dia de fechamento de cada macrozona, entre segunda e sexta, fecham-se até supermercados, padarias e postos de combustíveis. O escalamento regional que começou dia 8 de junho.

E para poder fazer cumprir as regras do escalonamento regional, as equipes de fiscalização do Grupo Operacional de Enfrentamento ao Coronavírus de Aparecida tem percorrido, diariamente, as ruas comerciais da cidade orientando e alertando os comerciantes. Na manhã desta segunda-feira, 06, fiscais da prefeitura estiveram na Avenida Independência, entre os bairros Independência e Jardim Monte Cristo. Os bairros ficam na macrozona Cidade Livre, que precisa ficar fachada, a partir de agora, tanto nas segundas quanto nas sextas-feiras.

Proprietário de um salão de cabeleireiros, na Avenida Independência, foi orientado a fechar as portas

De acordo com coordenadora do Grupo Operacional e Fiscal de Tributos, Ana Paula Vilela, os fiscais percorrem, de forma ostensiva, os bairros que fazem parte da macrozona que precisa estar fechada no dia e caso presenciam algum estabelecimento irregular, os proprietários são orientados a fechar as portas atendendo as regras do escalonamento. Ela explica que em quatro semanas, 95% das 53 mil atividades econômicas do município cumpriram as determinações da portaria 035/2020 e fecharam as portas no dia de isolamento da sua macrozona.

“Começamos o escalonamento no dia 08 de junho com cenário verde, quando duas macrozonas fechavam uma vez de segunda a sexta, e, na ultima semana, estivemos no cenário amarelo, com o fechamento das duas macrozonas por dia da semana e das 10 no domingo o dia todo. Agora com o cenário laranja, as macrozonas precisam fechar duas vezes por semana, ampliando o distanciamento social”, pontuou Ana Paula.

A coordenadora explanou ainda que com quatros semanas de escalonamento regional, autuamos apenas 380 estabelecimentos, sendo que o perfil dos comércios era em sua maioria formado por panificadoras e distribuidoras de bebidas. “Nas rondas nas macrozonas fechadas as equipes identificam identificou os comércios que tentam desrespeitar as novas medidas e estes são fechados imediatamente. Caso reincidam, abrindo quando não está permitido, são multados e se estiverem irregular mais uma vez, terão o alvará de funcionamento apreendido”, ressaltou a coordenadora do Grupo Operacional.

Denúncia – A população pode ajudar a Prefeitura a fiscalizar. Se alguém ver algum estabelecimento descumprindo as regras que existem para ajudar salvar vidas, as denúncias podem ser feitas pelos telefones que também são whastapp: 3545 5992, 3545 5999 ou o 153 da Guarda Municipal.

Fiscalização do uso das máscaras

Desde que a Lei Municipal 038/2020, entrou em vigor, no último dia 29 de junho, o uso de máscara pelas ruas de Aparecida de Goiânia se tornou obrigatório. A fiscalização está atuante em todos os locais, identificando e autuando imediatamente as pessoas que não estão fazendo uso da máscara e até mesmo os estabelecimentos que permitem a entrada de clientes sem uso da máscara.

Em uma semana de fiscalização do uso de máscaras, mais de 100 pessoas foram autuadas por não utilizar ou fazer uso de forma incorreta da máscara, além de 20 estabelecimentos autuados por permitir a entrada de cliente sem máscara. “Na primeira semana realizamos apenas advertências verbais, mas desde o dia 29 de junho, a medida tomada pelos fiscais é a de multar a pessoa. Caso seja pessoa física, o valor da multa é de R$ 106, para CNPJs a multa pode variar até R$ 580″, destacou Ana Paula Vilela.