Afirmação foi dada em reação à decisão do DEM, que desistiu de apoiar Baleia Rossi para a presidência da Câmara

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, disse neste domingo (31) que pode acatar um dos pedidos de impeachment do presidente Jair Bolsonaro. A declaração de Maia foi dada em reação à decisão de seu partido, o DEM, de deixar o bloco de apoio à candidatura do deputado Baleia Rossi (MDB-SP) para a presidência da Câmara. Rossi é apoiado pela oposição na Câmara.

Baleia disputa nesta segunda-feira (1º) a eleição para a presidência da Câmara contra Arthur Lira (PP-AL), apoiado por Bolsonaro. Portanto, é o último dia de Maia no comando.

:: Carreatas em 17 capitais pedem impeachment de Bolsonaro e vacinação para todos ::

Segundo informações do jornal Folha de S.Paulo, Maia afirmou que tem em mãos um parecer jurídico favorável ao processo e que pode ser usado pelo parlamentar para embasar uma eventual decisão nesse sentido.

presidente da Câmara já havia indicado ao menos três políticos que poderiam dar a largada no impeachment, como revelou a Folha na última quinta-feira. Naquele mesmo dia, Maia negou a intenção.

O jornal também destaca que, neste domingo, segundo parlamentares que participaram de reunião na casa de Maia, o deputado foi mais incisivo e chegou a dizer inclusive que instalaria nesta segunda (1°) a comissão que avaliaria se dá prosseguimento ou não ao processo de afastamento de Bolsonaro com base em um dos pedidos protocolados até agora (já são 62 pedidos).

:: Por que Rodrigo Maia critica Bolsonaro, mas não aceita os pedidos de impeachment? ::

Pela legislação, cabe ao presidente da Câmara decidir, de forma monocrática, se há elementos jurídicos para dar sequência à tramitação do pedido. O impeachment só é autorizado a ser aberto com aval de pelo menos dois terços dos deputados (342 de 513) depois de uma votação em uma comissão especial.

Após a abertura, pelo Senado, o presidente é afastado do cargo.

Apesar das ameaças de Maia, parlamentares dizem que o assunto ainda precisa ser discutido nesta segunda. A posição foi dada após o DEM ficar isento na disputa.

A saída do partido do bloco de apoio a Baleia fez integrantes de siglas de oposição aumentarem a pressão para Maia acatar um dos pedidos de impeachment.

:: Em carta, MST defende a vida dos brasileiros e pede saída imediata de Bolsonaro ::

Na tarde deste domingo, líderes dos partidos que apoiam Rossi reuniram-se com o presidente do DEM, ACM Neto, e cobraram dele ações para manter a sigla no bloco do emedebista.

Segundo relatos à Folha, parlamentares adotaram tom duro, insinuaram que Neto não controlava a legenda e afirmaram que, se o DEM fosse para o bloco de Arthur Lira, adversário do emedebista, ele teria quebrado um acordo com as siglas de esquerda.

Neste momento, de acordo com presentes, Maia levantou-se, afirmou que entraria na Justiça caso a sigla fosse para o grupo de Lira e afirmou que Neto deveria se lembrar que ele ainda tinha um dia inteiro de poder. Ainda na reunião, líderes de partidos como PT e PDT ameaçaram sair do bloco que apoia Rodrigo Pacheco (DEM-MG) como candidato à presidência do Senado.

A decisão do DEM pela neutralidade foi tomada por unanimidade após reunião na noite deste domingo (31), na sede do partido, em Brasília (DF), evidenciando a perda de capital político do deputado que comandou a Casa por quatro anos e meio.