O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva distribuiu em vídeo gravado para seu canal no YouTube sua primeira manifestação pública depois de retornar da Europa.

 

No vídeo, Lula classifica como patética a entrevista coletiva concedida pela equipe liderada pelo presidente Jair Bolsonaro.

 

“Não era possível eu ficar quieto”, disse. E fez um apelo: “Eu estou cuidando de mim e quero que você cuide de você. Bolsonaro deveria governar para 210 milhões e não governar para satisfazer seu ego ou dos seus filhos. A obrigação do governo cuidar das pessoas”.

O ex-presidente afirma que o governo não deve colocar a preocupação com a questão fiscal à frente do combate à pandemia e precisa investir recursos para que o país supere a pandemia da Covid-19 com o menor sacrifício possível da população.

O governo não estava preocupado em orientar o povo, estava preocupado em se desfazer da imagem negativa que ele se permitiu criar de tanta bobagem que falaram durante essa última semana.

Lula se referiu à entrevista à imprensa de Bolsonaro e seus ministros, na quarta (18), em que todos apareceram de máscara. Na ocasião, o presidente mudou o tom e anunciou medidas contra a crise que, dias antes, havia chamado de “histeria” e “fantasia”, o que gerou críticas da população.

Lula chamou a entrevista de “show de narcisismo”, de “patética” e disse que “só serviu para demonstrar que não temos governo”.

“Governo existe não para falar bobagem, mas para cuidar das pessoas e daquelas que mais precisam”, completou.

Elogios à imprensa

Lula elogiou a cobertura da imprensa no esforço de produzir informação sobre a pandemia observou ainda a contradição de Bolsonaro, que falou em instaurar estado de calamidade pública. “Primeiro ele diz que é histeria, depois diz que é calamidade.”

“Todo mundo sabe que eu sou muito crítico à imprensa, mas tenho que reconhecer. Se tem uma instituição que prestou um serviço de informação 24h por dia ao povo brasileiro foi a imprensa”, completou.

Assista:

Leia também:

Kennedy sobre crise diplomática entre Brasil e China: ‘Ernesto trucou. Tomou 6’