Segundo levantamento do Fogo Cruzado, as 16 crianças baleadas em 2019 no Rio de Janeiro estão na base da pirâmide social. Coincidência?

Quase 30% da renda do Brasil está nas mãos de apenas 1% dos habitantes do país, a maior concentração do tipo no mundo. É o que indica a Pesquisa Desigualdade Mundial 2018, coordenada, entre outros, pelo economista francês Thomas Piketty. Notícia do El Pais de 14.12.2017

Um terço dos moradores do Rio estão nas comunidades, que não são compostas de gente envolvida no crime. Tem tráfico? Tem, mas os moradores são as maiores vítimas do que acontece lá. Hoje, o governador [Wilson Witzel, PSC-RJ] disputa com o tráfico quem faz mais mal à favela. O silêncio do presidente da República Jair Bolsonaro, do ministro da Justiça Sergio Moro e do governador Wilson Witzel diante do assassinato brutal de uma criança de 8 anos é de uma covardia ensurdecedora que dá a medida exata do caráter desse trio. Marcelo Freixo, deputado federal (Psol-RJ), no twitter

Fora Witzel: Tenho evitado tuitar esses dias. Coisas absurdas acontecendo. Mas, com toda sinceridade, eu realmente penso que há razões de sobra para que se peça o impeachment de Witzel. Ele é o grande responsável pelas atrocidades que se cometem no Rio de Janeiro. Um assassino! Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo, no twitter

O Brasil tem ministro da Justiça? No dia em que o país se comove com a morte de uma menina de 8 anos baleada no Rio, o que faz Sergio Moro? Fica calado. Moro nunca foi juiz, mas justiceiro a serviço de um projeto de extrema direita. Nunca foi Ministro da Justiça, mas do arbítrio. Rodrigo Vianna, jornalista, no twitter.

Agatha foi baleada 6ª-feira. Mais de 24 hs depois, o ministro da Justiça ainda não convocara a cadeia nacional para informar providências e oferecer amparo à família. Tampouco o Presidente da República emitira um gesto de solidariedade. Distanciamento e frieza das tropas de ocupação. Carta Maior, no twitter

Ninguém tem coragem de dizer: as PMs promovem genocídio de negros e pobres. Só sobrevivem para manter o apartheid. Que o Brasil não vê, já que a Globo e a Folha [que pautam os outros] acham que somos uma democracia racial. A mentalidade das PMs é a da Doutrina de Segurança Nacional, desenvolvida nos EUA para combater o comunismo. Coisa do século 20. O povo brasileiro é o “inimigo interno”. Povo pobre e negro, claro. A PM vai para a rua “em combate”, estimulada por idiotas como Witzel, Bolsonaro e Doria. Mário Covas era um tucano de bico duro: propôs a extinção da PM nos anos 80/90. O bicudo Hélio, quando era do PT e enfrentou o esquadrão da morte em SP, a mesma coisa. Polícia é civil e desvinculada dos brucutus do Exército [as PMs são formalmente vinculadas ao Exército]. Mas, sabe como é, o lobby das PMs tem milhões de votos. Viomundo, no twitter

A PM matou uma criança. Vou insistir. A Polícia Militar do Rio de Janeiro foi criada por D. João, no início do século XIX, em um contexto em que a revolução dos pretos do Haiti apavorava, pelo poder de inspirar movimentos similares, as elites do Brasil. A função original da polícia era defender a propriedade de terras e gente e seus donos. Não custa lembrar que o símbolo da PM/RJ traz um pé de açúcar, um pé de café, duas armas e a coroa imperial. Mais explícito é impossível: braço armado em defesa da propriedade e do poder.  Sou dos que acham que não adianta dotar esta polícia de um suposto “perfil cidadão”, ensinado em algumas aulas, e tá resolvido. O buraco é mais embaixo. A PM foi criada para matar e morrer e nesse sentido é uma das instituições mais bem sucedidas do Brasil: mata e morre. Alguém conhece aí a fábula da natureza do escorpião, que não consegue deixar de usar o ferrão, a ponto mesmo de morrer durante a travessia de um rio porque picou o sapo que o carregava? Há, evidentemente, policiais do bem, mas a missão que justifica a corporação, inscrita em sua história, é defender o status quo contra ameaças, fundamentando essa defesa no monopólio da violência, prioritariamente voltada contra os mesmos pretos e pobres dos tempos do rei. A discussão sobre o que deu errado na polícia parte de um pressuposto equivocado. O problema das PMs não é ter dado errado. É ter até hoje dado certo. Escorpiões não foram feitos para voar como os pássaros. Luiz Antonio Simas, escritor, no twitter.

Fonte: www.viomundo.com.br