Presidente dos EUA sabia da letalidade alta da  desde fevereiro. Declarações foram gravadas e estão em livro de Bob Woodward, conhecido pelo caso Watergate.

 

RBA e  Opera Mundi– Um novo livro do jornalista Bob Woodward, que será lançado na próxima semana, traz declarações em que o presidente Donald Trump admite saber da gravidade do coronavírus, mas decidiu deliberadamente diminuir a importância da doença para não causar pânico. A revelação foi feita pelo jornal The Washington Post e pela emissora CNN. As declarações estão registradas em áudio.

Woodward é, junto com Carl Bernstein, um dos responsáveis, em meados da década de 1970, pelas reportagens no jornal Washington Post sobre o caso Watergate, que ajudou a derrubar o então presidente republicano dos EUA Richard Nixon.

O livro do jornalista sai no dia 15 de setembro e se chamará Rage (Fúria, em tradução livre).

Em um primeiro trecho na conversa, gravado ainda em 7 de fevereiro, Trump diz ao jornalista que sabia da gravidade e da mortalidade do vírus. Leia um trecho da conversa abaixo.

Donald Trump: É transmitido pelo ar, Bob. É sempre mais difícil do que pelo toque. Você sabe, o toque, você não precisa tocar nas coisas. Certo? Mas o ar, você só respira e é transmitido assim. Então, é algo complicado. É algo muito delicado. É inclusive mais mortal do que – você sabe, mais do que as gripes muito fortes. Você sabe, as pessoas não imaginam, nós perdemos 25 mil, 30 mil pessoas ao ano aqui [por causa da gripe]. Quem que pensaria numa coisa dessas, né?

Bob Woodward: Eu sei. As pessoas esquecem disso.

DT: Impressionante. E então eu digo, bem, essa é a mesma coisa…

BW: O quer você pode fazer para…

DT: Este é mais mortal. Este é cinco por… você sabe, é cinco porcento [de mortes] versus um porcento e menos de um porcento. Sabe? Então, isso é algo mortal.

“Evitar pânico”

Em outra conversa, gravada em 19 de março, Trump admite ter intencionalmente afirmado que o vírus não era tão perigoso para, segundo ele, evitar causar pânico na população.

DT: Agora, está parecendo não atingir apenas pessoas idosas, Bob. Somente hoje e ontem, alguns fatos alarmantes apareceram. Não é só velho… mais velhos.

BW: Sim, exato.

DT: Pessoas jovens também, muitas pessoas jovens.

BW: Então, me conte…

DT: Então, o que está acontecendo…

BW: … um momento quando falou com alguém, passando por isso com [o infectologista e membro da força-tarefa da Casa Branca para a covid-19 Antony] Fauci ou alguém parecido, que causou uma mudança na sua cabeça. Porque está claro, a partir do que foi dito em público, que o senhor mudou sua posição para ‘meu Deus, a gravidade é quase inexplicável’.

DT: Bom, eu acho, Bob, realmente, para ser honesto com você…

BW: Claro, eu quero que você seja.

DT: Eu queria… eu sempre quis diminuir [a importância]. Eu ainda prefiro diminuir, porque não quero criar pânico.

Minimizando o vírus

As revelações causaram reações e o termo Trump Knew (Trump Sabia) é um dos mais comentados nas redes sociais nesta quarta-feira (9). Assim como o presidente brasileiro Jair Bolsonaro, o estadunidense passou boa parte da pandemia minimizando o vírus e sugerindo alternativas não comprovadas cientificamente – como a cloroquina – ou mesmo perigosas, como a injeção de água sanitária para combater a covid-19.

A postura de Trump só mudou com a aproximação das eleições no país, nas quais ele disputa a reeleição contra o democrata Joe Biden. A partir daí, mudou (ou, ao menos, disse que mudou) sua posição para com a crise e chegou a defender até o uso de máscara. Pesquisas mostram que a população norte-americana avalia negativamente as ações do presidente na pandemia