Capacidade de diálogo e de agregar aliados faz o presidente da Assembleia Legislativa se sobressair no cenário atual da política goiana.

Marcus Vinícius de Faria Felipe

A vida do governador Ronaldo Caiado (DEM) seria muito mais difícil sem o trabalho diuturno feito pelo deputado estadual Lissauer Vieira (PSB). O começo da relação entre  ambos foi turbulento. Caiado apoiou o decano Álvaro Guimarães (DEM) na eleição para presidência da Assembleia Legislativa em 2019. Deu Lissauer. Caiado não gostou. Deu-se um curto período de estranhamento, mas depois os chefes do Executivo e do Legislativo se entenderam, e o governador recém-empossado teve em Lissauer seu esteio para construir uma base de apoio na Alego. Desde então, Caiado tem governado sem sobressaltos.

Sem Lissauer provavelmente a governabilidade de Caiado estaria comprometida. Não  que faltem articuladores políticos na Casa Verde. Nada disso. O experiente Ernesto Roller é um deles, mas o estilo centralizador de Caiado mina a capacidade de ação de Roller e de outros auxiliares. Resultado:  muitas conversas e acertos iam se perdendo, desgastando o secretário de Governo, e de quebra o próprio governador. Não fosse a atuação de Lissauer Vieira nos bastidores,  esta base mínima que o governo tem na Alego não seria possível.

O jornalista Caio Henrique Salgado, na edição de hoje da Coluna Giro, de O Popular, trouxe mais uma constatação deste trabalho profícuo de Lissauer, que relatou ao jornalista as articulações para que deputados de oposição ou independentes, se acertem com o governo.

(…)  O pessedista enxerga tendência de adesão, ainda que lenta, de deputados estaduais que são “independentes, mas muito mais próximos do governo”, comentou o jornalista.

“Vejo o Talles (Barreto, do PSDB) migrando para um partido da base. O Henrique (Arantes) vai ficando no MDB e o MDB vai para o governo. Considero o (Lucas) Calil (PSD) um deputado independente, mas que sinaliza aproximação e precisa pensar na eleição dele. São deputados, acredito eu, que estarão politicamente ao lado do governo”, avaliou Lissauer para o Giro.

Lissauer Vieira trabalha candidatura à Câmara Federal, tendo como principal base eleitoral Rio Verde, município que já legou a Goiás e ao país nomes como Paulo Roberto Cunha, que foi deputado federal Constituinte (1988), presidente da Conab e prefeito  de Rio Verde por três vezes. Dada sua capacidade de articulação, é mais que provável que garanta uma cadeira no Parlamento para representar Goiás e a Região Sudoeste.

Mas é possível que aja um desvio de rota.

Explico.

Lissauer pode ser convocado pelo próprio Caiado para compor a chapa ao seu lado, como candidato a vice-governador. Seu talento nato para fazer costuras políticas é muito útil a Caiado. Se confirmar sua reeleição, o governador provavelmente tentará alçar vôo na politica nacional, e para um projeto desta envergadura é necessário ter ao lado aliados que agregaram. Esta pode ser a próxima missão de Lissauer. A conferir.