Não será a defesa da democracia que irá levar à cassação do deputado-miliciano Daniel Silveira (PSL-RJ) mais a lei número um da política: a sobrevivência.

Marcus Vinícius de Faria Felipe

A jornalista Mônica Bergamo, sinalizou em sua coluna de hoje que o presidente da Câmara Federal, Arthur Lira (PP-AL) deve jogar ao mar o valentão Daniel Silveira (PSL-RJ).  Nesta nesta quinta (18) , em reunião com  presidente Jair Bolsonaro, ele afirmou que a prisão do deputado bolsonarista Daniel Silveira (PSL-RJ) deve ser mantida pelo plenário da Casa.

Colega da Bergamo na Folha, Thaís Oyama fez o arremante no UOL, ao relatar visita que o deputado miliciano recebeu na prisão:

Silveira soube pelos visitantes que o comando da Câmara dos Deputados havia considerado gravíssimo o episódio em que ele se meteu ao divulgar um vídeo com ameaças e impropérios a membros do Supremo Tribunal Federal, corte em que estão penduradas várias excelências, a começar pelo próprio Lira, duas vezes réu no tribunal.

Recordando: Lira está “pendurado na brocha” no Supremo Tribunal Federal. O presidente da Câmara é réu por peculato e lavagem de dinheiro e réu no inquérito da Operação Lava-Jato e é investigado por sonegação fiscal.

Na hora H e no dia D, Arthur Lira vai salvar a sua pele ou se sacrificar pelo brucutu que ofendeu os magistrados que irão lhe julgar?

Para quem sabe ler um pingo é letra.

 

Leia também:

Após decisão do STF, deputados mudam estratégia e já falam em manter prisão de Daniel Silveira