Em artigo publicado no portal Poder360, o ex-senador e promotor de Justiça aposentado, Demóstenes Torres critica atuação anti-republicana dos procuradores da Operação Lava Jato.

Demóstenes Torres

Pensei em escrever o texto desta semana a respeito da dor que deve estar sentindo Deltan Dallagnol. Passei por isso. Não dormir, tomar remédio controlado, acordar de madrugada à espera do que vai aparecer no noticiário, riscar do seu caderno quantidade substancial de amigos, parentes, correligionários, colegas de profissão, enfim, ser um antigo leproso.

Mas amanheceu o dia e, com ele, vieram novos diálogos do The Intercept Brasil, agora em parceria com o UOL, que desnudaram um lado ainda mais pestilento dos procuradores da república. Veio-me à mente a perícope da adúltera, descrita no Evangelho de João, em 7:53 até 8:1-11:

“Os escribas e os fariseus trouxeram uma mulher apanhada em adultério, puseram-na no meio de todos e disseram a Jesus: ‘Mestre, esta mulher tem sido apanhada em flagrante adultério. Moisés nos ordenou na Lei que tais mulheres sejam apedrejadas; tu, pois, que dizes?’ Isto diziam, experimentando-o, para ter de que o acusar. Jesus, porém, abaixando-se, começou a escrever no chão com o dedo. Como eles insistissem na pergunta, levantou-se e disse-lhes: ‘Aquele que dentre vós está sem pecado, seja o primeiro que lhe atire uma pedra’. Tornando a abaixar-se, continuou a escrever no chão. Mas ouvindo esta resposta, foram saindo um a um, começando pelos mais velhos, ficando só Jesus e a mulher no lugar em que estava. Então levantando-se Jesus, perguntou-lhe: ‘Mulher, onde estão eles? ninguém te condenou?’ Respondeu ela: ‘Ninguém, Senhor.’ Disse Jesus: ‘Nem eu tampouco te condeno; vai, e não peques mais’.”

A sequência das horripilantes conversas demonstra que a chamada “Lava Jato” perdeu qualquer noção de civilidade, de amor ao próximo, de respeito à dor, especialmente no último instante da fuga de um ser caro. Lembro-me dos “maravilhosos” espetáculos dos funerais, de quando eu era criança. A dor não se continha e era extravasada em uivos espetaculares; pessoas estrebuchavam no chão e desmaiavam, até o último momento em que o corpo era levado à cova. Era algo digno de uma ópera, ao contrário dos príncipes das trevas ministeriais, que mal disfarçam a euforia com um lencinho onde tentam esconder a peçonha da crotalus durissus terrificus.

Lula perdeu 3 parentes em pouco tempo: a mulher, Marisa Letícia, o irmão Vavá e o neto Arthur. E assim reagiram os cangaceiros do Ministério Público:

Deltan: “Um amigo de um amigo de uma prima disse que Marisa chegou ao atendimento sem resposta, como vegetal“. Paulo Paludo: “Estão eliminando as testemunhas“.

Laura: “Ridículo… Uma carne mais salgada já seria suficiente para subir a pressão… ou a descoberta de um dos milhares de humilhantes pulos de cerca do Lula“.

Antônio Carlos Welter: “a morte da Marisa fez uma martir [sic] petista e ainda liberou ele pra gandaia sem culpa ou consequência politica“.

Thaméa Danelon, sobre a presença da Procuradora Eugênia Augusta Gonzaga no velório de Marisa: “Olhem quem estava no velório da ré Marisa Leticia“. (…) “É como um colega ir ai enterro da esposa do líder de uma facção do PCC. No mínimo inapropriado“.

Orlando Martello, sobre Lula ir ao enterro de Vavá: “uma temeridade“. (…) “A militância vai abraçá-lo e não o deixarão voltar. Se houver insistência em trazê-lo de volta, vai dar ruim!! [sic]”.

Januário Paludo: “O safado só queria passear e o Welter com pena“.

Laura Tessler: “O foco tá em Brumadinho…logo passa…muito mimimi“.

Após Deltan compartilhar uma notícia sobre um contato telefônico entre Lula e o ministro do STF Gilmar Mendes, em que o ex-presidente teria se emocionado, o procurador Roberson Pozzobon comentou: “Estratégia para se ‘humanizar’, como se isso fosse possível no caso dele rsrs“.

Monique Cheker: “Fez discurso político (travestido de despedida) em pleno enterro do neto, gastos públicos altíssimos para o translado, reclamação do policial que fez a escolta… vão vendo“.

Januário Paludo: “A propósito, sempre tive uma pulga atrás da orelha com esse aneurisma. Não me cheirou bem. E a segunda morte em sequência“.

Deltan, ao comentar postagem de Laura Tessler sobre o discurso de Lula no velório de Marisa: “uma bobagem“. “Bobagem total… nguém mais dá ouvidos a esse cara“.

Diogo Castor, sobre a saída de Lula para ir no velório de Vavá: “todos presos em regime fechado tem este direito“, e Orlando Martello:”3, 4, 10 agentes não o trarão de volta. Aí q mora o perigo caso insistam em fazer cumprir a lei“.

Jerusa Viecili, sobre a morte de Arthur: “Preparem para nova novela ida ao velório“.

Não tenho qualquer dúvida de que esses iracundos irão parar no quinto círculo do inferno de Dante Alighieri e ficarão imersos pela eternidade em lama ardente do Pântano de Estige, onde terão a companhia dos insolentes e soberbos. Lá ficarão batendo, mordendo e chutando uns aos outros, coisa que, no plano terrestre, só fazem para se divertir, com seus investigados. Alguém tem dúvida de que, se estivessem na cena relatada pelo apóstolo João, os procuradores lavajatistas teriam apedrejado a adúltera?

Pelo linguajar andrajoso, são todos semialfabetizados e medíocres. Mas, pior, exercem seu ofício sem qualquer compaixão. São verdugos que gostam de recolher a cabeça, ainda viva, no cesto; de quebrar a cervical do enforcado, de pendurar o corpo nos cavalos para ser esquartejado. Assemelham-se a seus iguais do PCC, que gostam de decapitar seus convivas. Ou, como diria o Procurador Martello, cumprir a lei passou a ser um perigo.

Vai chegando setembro e, com ele, a saudade de um amigo que fiz em seus últimos anos da vida, o intrépido jornalista Márcio Moreira Alves, com quem pude visitar três cidades do interior de Goiás que eu considerava modelo de gestão pública. Gostou muito da pequeníssima Gouvelândia, que era governada, com eficácia, pelo prefeito Zé Português. No dia 2 de setembro de 1968, quando deputado federal, fez um discurso enérgico e sintético para conclamar os brasileiros a não aceitarem mais a ditadura militar. A sua não cassação foi o pretexto para o mais duro dos atos institucionais, o de número 5. Peço vênia à sua memória para adaptar um trecho aos tempos atuais:

“As cúpulas lavajatistas procuram explorar o sentimento profundo de patriotismo do povo e pedirão a ele que desfilem junto com os algozes do Estado de Direito. Seria necessário que cada pai, cada mãe, se compenetrasse de que isso é o auxílio aos carrascos que querem acabar com a legalidade, primeiro, para depois dizimar as instituições, fechar o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal, para em seguida, prendê-los e metralhá-los. Portanto, que cada um boicote esse desfile.

Esse boicote pode passar também por todos que dançam com furibundos Membros do Estado Policialesco e namoram, ou estão casados, com tais sacripantas.

Recusem aceitar aqueles que silenciam e, portanto, se acumpliciam. Discordar em silêncio pouco adianta. Necessário se torna agir contra os que abusam das instituições e das leis, falando e agindo em seu nome. Creiam-me que é possível resolver esta farsa, esta democratura, este falso impedimento pelo boicote aos charlatães, hoje travestidos de autoridades, mas que se desnudarão como impostores. Só assim conseguiremos fazer com que este país volte à democracia”.

Quanto ao infeliz Dallagnol, depois da atabalhoada manobra de fim de semana, quando procurou juiz escolhido a dedo, em plantão, para adiar sessão do CNMP, onde, fatalmente, iniciaria sua via crucis, aconselho-o, por pura condolência, a abrir, imediatamente, o site da Associação de Advogados Criminalistas e procurar alguém gabaritado. Se começar pela letra A, pode optar por Alberto Toron; se escorar na letra K, o escolhido pode ser o Kakay e, se esbarrar no T, vá firme no Ticiano. São centenas de bons profissionais. A diversão acabou.