Perguntado sobre dossiê secreto da sua pasta para perseguir servidores públicos e intelectuais, André Mendonça disse não poder confirmar nem negar existência de documento.

Por Redação RBA – São Paulo – Foi constrangedora a presença do ministro da Justiça, André Mendonça, na Globonews domingo à noite. Perguntado sobre o dossiê secreto elaborado na sua pasta para perseguir servidores públicos e intelectuais, ele disse não poder nem confirmar, nem negar a sua existência. Essa é a avaliação do professor e jornalista Laurindo Lalo Leal Filho, em sua coluna no canal do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé.

 

André Mendonça: tentativa de dominar a arte de enganar a opinião pública. Foto: Pozobom/AgBr.

Lalo diz que jornalistas estão acostumados a receber respostas enroladas de autoridades. “isso é comum quando querem fugir da pergunta. Muitos dominam bem a arte de enganar o público, conquistando até mesmo simpatia e votos.”

“Outros são toscos, como o atual presidente da República e suas frases truncadas, muitas vezes sem nenhum sentido. Mas esse ministro, do que vi até agora, é insuperável. Depois de dizer que não podia negar ou confirmar a existência do dossiê, prosseguia falando de temas que não tinham nada a ver com a pergunta”, afirma ainda o professor Lalo.

Na entrevista, o ministro dividia a tela da TV com três jornalistas. “Era impagável acompanhar as expressões de desprezo e enfado dos jornalistas, enquanto o ministro divagava ou falava qualquer outra coisa que não tinha nada a ver com a pergunta”, afirma Lalo.

Como em uma ditadura

O professor destaca que mais grave ainda é que esses geralmente são os jornalistas dóceis com os poderosos. “Mas diante das respostas do ministro, não conseguiam disfarçar o incômodo. O que ele procurava esconder com as respostas enviesadas é muito grave ponto, é um dos passos clássicos rumo às ditaduras.”
Leia mais: Cármen Lúcia dá 48 horas para Ministério da Justiça explicar dossiê contra servidores ‘antifascistas’

Deputado quer que ministro da Justiça explique ação sigilosa contra críticos de Bolsonaro

Novo ministro da Justiça não será independente nem republicano, diz advogado

Lalo comenta que esse tipo de ocorrência se dá quando opositores ou simples críticos de um governo passam a ser identificados, fichados e vigiados. É o caso desse dossiê, revelado pelo jornalista Rubens Valente, com 579 nomes de servidores públicos, além de quatro intelectuais identificados no documento como formadores de opinião.
São eles: Paulo Sérgio Pinheiro, ex-secretário de Direitos Humanos do governo Fernando Henrique e relator especial da ONU para a Síria; o antropólogo Luiz Eduardo Soares, secretário nacional de Segurança Pública no primeiro governo Lula; o secretário de cidadania do Pará, Ricardo Balestreri; e o jovem acadêmico da Universidade Federal da Bahia Alex Agra Ramos.

‘Triste memória’

O dossiê foi produzido pela Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça, órgão que faz lembrar o Serviço Nacional de Informação (SNI), da ditadura civil-militar, “de muito triste memória”, como comenta Lalo. O título do documento atual é: Ações de Grupos Antifa e Policiais Antifascismo.
“Os autores são tão primários, que ao tratar antifascistas como inimigos assumem publicamente a defesa do fascismo. Eu tive a oportunidade de conhecer integrantes dos policiais antifascistas e pude constatar a coragem e a importância deles na atual conjuntura. Não é fácil defender a democracia no meio policial. O ambiente é amplamente contaminado por apoiadores do atual governo, as ameaças que sofrem são constantes e o dossiê do ministério da justiça é a mais recente delas”, afirma Lalo.