O jornalista e radialista Laerte Júnior não está mais entre nós. Foi pautado pela Estação Celestial. Seu corpo baixou ao chão no Cemitério Santana nesta terça-feira, às 16hs. Sua alma libertária, seu espírito contestador e sua ira santa contra hipócritas, corruptos e vendilhões do templo continua entre nós.


Laerte se foi aos 52 anos, vítima de infarto na última segunda-feira. Segundo relato de amigos, Laerte estava fazendo compras quando passou mal, foi socorrido e encaminhado ao Hospital Santa Bárbara mas não resistiu.
Por quase três décadas Laerte comandou equipes de jornalismo na Rádio Difusora, onde fez dupla inesquecível com o Padre Jesus Flores. Ambos de caráter forte, não davam colher de chá aos entrevistados, principalmente àqueles que gaguejavam com as perguntas. Laerte também ajudou a fundar rádios, como em Alvorada do Norte (GO), onde pilotou ao lado do também radialista Luiz Henrique “Paraíba” a rádio comunitária local, que casou ira nos poderosos da região. Seus últimos trabalhos no rádio foram nas rádios Clube,Sucesso e finalmente na Terra FM.

No twitter, Laerte era um “enfant terrible” com seu texto ácido. Sua última postagem data de domingo (10/12/18), às 10h30, e ele pergunta: “Perceberam que os robôs do Coiso DESAPARECERAM? O contrato com a empresa acabou? Ou até os robôs estão decepcionados com o papel de trouxa que fizeram”, numa referência clara ao escândalo do motorista milionário que emprestava dinheiro para Eduardo Bolsonaro e para a esposa do futuro presidente, Jair Bolsonaro.
A morte de Laerte comoveu uma legião de admiradores de seu estilo como radialista e jornalista, e principalmente, colegas de profissão, que ao longo dos anos passaram a admirá-lo por sua correção, e até pelo seu jeito ranzinza. Seu sincericídio, fará muita falta nestes tempos de hipocrisia e de idolatria à idiotice. Certamente Laerte concordaria com a lapidar frase do jornalista e teatrólogo Nelson Rodrigues: “Os idiotas vão dominar o mundo, não pela capacidade, mas pela quantidade. Eles são muitos”.
Uma geração do rádio, da tv e do jornalismo impresso prestou homenagens a Laerte Júnior, entre eles o secretário de Comunicação de Goiânia, o jornalista, radialista e advogado Urias Garcia Júnior, que definiu Laerte como “amigo dos amigos, apaixonado pelo seu trabalho, implacável com os mal feitos”, disse.
O publicitário Célio Resende postou mensagem em seu facebook, onde falou da dor da perde de um amigo, com o qual conviveu desde a adolescência. “Saudades eternas desse amigo de verdade Laerte Junior.Muita tristeza nesse momento, mas com certeza, essa lembrança viva estará sempre presente pra mim, minha mãe e toda a minha familia, principalmente quando nos visitava e dizia pra minha mãe q só viria na nossa casa se fosse pra tomar um café com o pão de queijo feito por ela. Era como um filho para Dona Lurdes. Muito querido por todos nós… Vá com Deus meu querido e amado amigo!”, escreveu,
O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Comunicação nos estados de Goiás e Tocantins, Miguel Novaes, lamentou a morte de Laerte Junior nas redes sociais. “A comunicação de Goiás perde um de seus grandes profissionais do rádio”, pontificou.
O governador de Goiás José Eliton (PSDB) também divulgou nota lamentando a morte do profissional, dizendo se sentir “consternado” com o falecimento. “Goiás perde grande profissional que, com a ética e o compromisso com o interesse público essenciais ao bom jornalismo, trilhou bela trajetória em relevantes veículos do estado”, externou.
Colega de Laerte por décadas na Rádio Difusora, e com quem convivia recentemente na Rádio Terra FM, o deputado estadual e radialista Humberto Aidar, resumiu assim a sua perda: “Ainda não consigo acreditar no que aconteceu, um grande choque. Perdi um grande amigo”.
Joãomar Brito, que foi professor de Laerte na UFG (Universidade Federal de Goiás), quando este se graduou nos anos 1980, também falou do pesar com o seu passamento. “Uma grande tristeza! Semestre passado ele esteve conosco na PUC, onde debateu com meus alunos de jornalismo questões da imprensa atual. É muito dolorido perder um ex-aluno… meu conforto para toda sua familia!”.
Laerte se foi, mas mas as ondas do rádio, no qual ele fez fervorosa devoção de fé na força da verdade que liberta, nunca mais vibrarão na mesma frequência.