Deputado goiano, que é líder do Podemos na Câmara Federal, diz ministro Abraham Weintraub, deveria entrar ministro e sair ex-ministro após os questionamentos feitos a ele pelos deputados federais, na audiência de hoje na Câmara e  também diante das manifestações que levaram mais de um milhão de pessoas às ruas em todo o País.

O Podemos, partido que José Nelto lidera na Câmara Federal, não integra oficialmente a base do governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL-RJ), mas tem dado apoio a várias medidas, e está nas contas da articulação politica do governo como partido aliado. Segundo Nelto, o ministro Weintraub é que provocou a balbúrdia e fez cortes na educação, e ele é que vai ter que explicar. Pode entrar ministro e sair ex-ministro, como aconteceu com Cid Gomes — disse, fazendo referência à demissão do então ministro da Educação em 2015 após ser sabatinado em plenário.

“Haverá um questionamento muito duro com o ministro aqui em plenário. Acho que ele tem que entrar ministro e sair daqui ex-ministro”, reiterou José Nelto.

Durante a sabatina  na Câmara Federal, o ministro ofendeu deputados, estudantes e pesquisadores. Disse que “comunistas merecem levar bala na cabeça”,no que foi interrompido pela deputada federal Jandira Feghali (PC do B-RJ), que disse, “ministro eu estou aqui”, lembrando a presença de comunistas no Parlamento.

Segundo o ministro, as bolsas de mestrado e doutorado estavam destinadas a “áreas que não produzem ciência”, se referindo às ciências humanas. Sua fala estimulou uma espécie de disputa entre a Educação Superior e a básica, dando mais importância ao ensino fundamental, como se fosse necessário privilegiar um deles.

Segundo ele, as bolsas de mestrado e doutorado estavam destinadas a “áreas que não produzem ciência”, se referindo às ciências humanas. Sua fala estimulou uma espécie de disputa entre a Educação Superior e a básica, dando mais importância ao ensino fundamental, como se fosse necessário privilegiar um deles.

As imagens das manifestações registradas por sites e jornais de todo o país são impressionantes; mais de um milhão saíram às ruas, talvez o dobro ou o triplo disso; até o início da tarde havia registro de manifestações em defesa da Educação em todos os Estados e centenas de cidades, inclusive as pequenas; alguns destaques da manhã foram Fortaleza Salvador e Belo Horizonte, com mais de 100 mil pessoas.