No artigo para o site DW (Deutsche Welle), “Um reino desunido a caminho da insignificância”, o jornalista inglês Rob Mudge observa os prejuízos que o Brexit trouxe à nação. Seu vaticício é de que o Brexit deixará a Inglaterra quebrada e desunida . Ele também denuncia como este processo foi atingido graças a manipulação da opinião pública inglesa por meio das chamadas “fake news” (notícias falsas).

Confira o artigo de Rob Mudge escrito para o DW:

 

Um reino desunido a caminho da insignificância

por Rob Mudge

 

Pouco mais de três anos e meio atrás, na manhã de 23 de junho de 2016, eu me forcei a pular meu ritual diário de viciado em notícias, deixando de conferir o pinga-pinga constante do meu news feed, e fui para o trabalho beatamente ignorante sobre o estado das coisas no mundo.

Eu havia preparado dois artigos de opinião para o dia: um para a altamente improvável eventualidade de que o Reino Unido tivesse votado para deixar a União Europeia; e o outro sobre como nós – obviamente – ficamos no bloco.

Não me agrada usar estes termos levianamente, mas eu estava realmente em estado de choque ao entrar na redação. Meus colegas alemães mais tarde me contaram que eu parecia ter visto um fantasma.

Nos últimos anos, a aparição do Brexit tomou uma forma corpórea. Mesmo naquele momento eu – ingenuamente, como se constataria – me agarrei à esperança de que o país voltaria à razão, revertendo a decisão. Enquanto amigos e colegas meus requeriam a cidadania alemã, eu adiei essa decisão até mais ou menos o último momento.

Embora acatando plenamente o resultado de um voto democrático, eu ainda me recuso a aceitar o processo que nos levou até aqui: uma trama baseada em falsas noções, mentiras e desinformação.

Muitos dos que foram enganados pelos líderes solipsísticos e agindo em serviço próprio – do arquiteto do Brexit David Cameron ao atual primeiro-ministro, Boris Johnson – são defensores de um Reino Unido preso no passado. É risível a noção de que uma nação que certa vez ostentou um império de colônias oprimidas tivesse que se livrar das correntes da UE.

Essas regras e normas, tão desprezadas por personagens governamentais tanto passadas quanto presentes, foram elaboradas e configuradas, de uma maneira ou outra, pelo Reino Unido. E quando o país não gostava delas, se eximia. Nenhum outro Estado-membro da UE se beneficiou de tantas isenções e descontos.

A UE não é perfeita – longe disso. Mas é uma ilusão pensar que Londres vá obter um acordo melhor com os Estados-membros e outros concorrentes importantes. Até o momento, foram assinados assim chamados “acordos de continuidade” com países como Liechtenstein, as Ilhas Faroé, Geórgia e Líbano, entre outros.

Sem querer desrespeitar, essas não são exatamente potências econômicas. Contudo ainda não é hora de pânico. O ministro do Comércio, Liam Fox (“O acordo comercial com a UE deverá ser um dos mais fáceis da história humana”), diz que tem 40 acordos a serem assinados “um segundo” depois do Brexit. Hm, espera aí, estou tentando achar aquela lista…

Quão atraente é para os investidores externos um país que está perdendo suas indústrias e serviços chaves em decorrência do Brexit? Não é preciso ser um gênio para deduzir por que líderes do setor automotivo estão fechando fábricas e se mudando para o continente europeu; ou por que operadores financeiros de ponta estão indo para Paris e Amsterdã. Para não falar da evasão de cérebros, quando cidadãos da UE que estiveram atuando em ciência e educação em solo britânico fizerem as malas e se forem.

Mas não temam, ainda há esperança. Um dos adeptos do Brexit que vive num universo paralelo é o secretário de Estado para o Brexit, Steve Barclay. Recentemente ele lembrou que 99% do vinho consumido no país é importado. Uma vez que o Reino Unido saia da UE, contudo, esse “setor vital” poderá florescer. Não estou inventando. Duas coisas: ele já parou para pensar por que todo esse vinho é importado? E desde quando a indústria vinícola britânica é um “setor vital”?

Vamos para um nível de ignorância mais acima – e, também aqui, ninguém seria capaz de inventar tal coisa: a deputada do Parlamento Europeu June Mummery teve recentemente uma epifania, ao tuitar que, uma vez que o Reino Unido deixe a UE, ele não mais terá representação em Bruxelas para a política pesqueira. Se a ironia ainda não estivesse morta, esse teria sido o golpe de misericórdia. (Ela pode sempre conferir se Johnson não tem uns arenquezinhos escondidos no geladeira.)

O Brexit deixará a Grã-Bretanha quebrada, um reino desunido. Geograficamente, a ilha sempre esteve à parte da Europa continental. Essa distância ficará cada vez mais palpável – política, econômica e socialmente.

Pode ser que eu não vá estar aqui para ver (uma bênção dúbia, de certo modo), mas prevejo que, dentro dos próximos 20 anos, Londres virá de rabo entre as pernas, implorando para voltar para a União Europeia – mas em termos infinitamente piores do que os que pôde disfrutar por tanto tempo.

Rob Mudge é um jornalista da DW que vive na Alemanha e acompanhou os passos do Brexit com grande ansiedade.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.