A pesquisa do instituto Serpes, publicado no jornal O Popular, trouxe o governador Ronaldo Caiado (DEM) com elevados índices de popularidade. Os números contrastam com outro levantamento, feito pelo Jornal Argumento,que fez enquete  entre 05 e 06  de julho de 2020 (por telefone), nas três maiores cidades do Estado: Goiânia, Aparecida de Goiânia e Anápolis.  A enquete quis saber como está a  gestão do Governador Ronaldo Caiado nos primeiros  seis meses do ano.

Goiânia é uma cidade com duas características muito marcantes: a vocação para prestação de serviços diversos, especialmente nas áreas de saúde, hotelaria, bares, restaurantes e serviços públicos (afinal é a Capital do Estado), e um comércio pujante, impulsionado principalmente pelo setor do vestuário (a cidade está entre os cinco maiores pólos de confecção do país), auto-peças em geral (veículos automotores, máquinas agrícolas e implementos) e produtos agropecuários.

Estas observações são importantes para captar o humor da cidade em relação aos governos nas suas esferas municipal e estadual (principalmente) e federal.

Como é do conhecimento geral, comerciantes e prestadores de serviço não estão exatamente alegres com o prefeito e governador nestes tempos de pandemia, onde foi usado rigor necessário para evitar a transformação de Goiânia em Manaus (AM), capital brasileira que é campeã em número de contaminação de mortes (proporcionalmente à sua população) no país.

Tampouco os servidores públicos – uma massa de 190 mil trabalhadores nas mais diversas áreas do Estado -, estão batendo palmas para tudo o que o governador Ronaldo Caiado faz.

Dito isto, é interessante a análise da enquete feita pelo Jornal Argumento, veículo de tradição na metrópole, editado competentemente pelo jornalista André Marques e pelo Padre Jesus Flores.

Como se sabe, enquetes não tem valor científico, dado que não obedecem aos critérios técnicos das pesquisas eleitorais, mas servem para verificar ânimos e humores, que podem ser depois devidamente avaliados por uma pesquisa com os rigores que tem os institutos de pesquisa.

Vamos aos números:

 

A reprovação do Governador, que já era grande, aumentou mais nesta nova enquete. Os entrevistados deram nota média de 2,1.

A margem de erro é de 2% pontos para baixo ou para cima. O grau de confiança da enquete é de 95%. Veja o resultado parcial da enquete realizada pelo  Jornal Argumento:

Perguntado qual nota dá para os primeiro seis meses do ano, entre zero e dez, A NOTA MÉDIA FICOU EM 2,1.