Colunista da Folha vê deterioração do esquema de poder do presidente.

“O ressurgimento de Lula da Silva, prestigiado até pela atenção da CNN americana, simultâneo a outros fatos de aguda influência, levam Bolsonaro ao estado de maior tensão e descontrole exibido até agora”, escreve o jornalista Janio de Freitas, em sua coluna.

“A reação de Bolsonaro foi a tontura do desesperado. Lula pega a bandeira da vacina, então é urgente pôr a vacina no lugar da cloroquina. Põe máscara. Tira máscara. Volta à cloroquina. Culpa os governadores. Mas o empurrado é Pazuello. Escreve carta solícita a Biden e recebe uma resposta de cobrança sobre meio ambiente. Volta à vacina. Falta vacina”, escreve.

O perigo, diz ele, é a volta de planos golpistas. “Volta-se ao risco maior: a pandemia não matou a doença do golpismo.”