Foi na água e foi na raça. O surfista Ítalo Ferreira e o nadador Fernando Scheffer mostraram superação para trazer mais duas medalhas para o Brasil.

Ítalo quebrou a pracha na prova final e teve que trocar. Scheffer, que por causa da pandemia ficou sem piscina para treinar, teve que nadar num açude, mas fez valer toda sua resiliência para buscar a medalha para natação brasileira.

Fernando Scheffer, de 23 anos, conquistou a primeira medalha da natação brasileira na Olimpíada de Tóquio (Japão). O gaúcho cravou o tempo de 1min44s66 para garantir o bronze nos 200 metros estilo livre na noite desta segunda-feira (26) no Centro Aquático de Tóquio. As primeiras posições da prova ficaram com dois representantes da Grã-Bretanha, o ouro com Thomas Dean, com o tempo de 1min44s22, e a prata com Duncan Scott, com 1min44s26.

Superação

Ítalo venceu o japonês Kanoa Igarashi com a nota final de 15.14, muito acima da nota de 6.60 do seu adversário.

A luta pelo ouro começou muito dramática para o brasileiro. Logo no início, a prancha do campeão mundial de 2019 quebrou por causa do forte impacto da onda.

No entanto, o atleta japonês não conseguiu aproveitar a situação a seu favor. Já com a prancha nova, Ítalo deixou o adversário sem chances.

Com as conquistas  o  Brasil ganhou mãos nos jogos olímpicos de Tóquio e chegou a 11ª posição no quadro de medalhas.

Eu vim com uma frase para o Japão: diz amém que o ouro vem. Eu treinei muito nos últimos meses, mas só tenho que agradecer a Deus por tudo isso. Meu intuito é ajudar as pessoas e as famílias. Eu queria que a minha avó estivesse viva para ver isso. Sou muito feliz pelo que me tornei, pelo que fiz pelos meus pais. Sempre pedi para que esse sonho fosse realizado e ele aconteceu” disse Italo à TV Globo.

Além de ser o primeiro ouro do Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio, essa medalha dourada é a primeira da história do surfe na Olimpíada.

 

Gratidão pela conquista

Após alcançar a conquista olímpica, o atleta brasileiro expressou toda a sua gratidão por todos que o apoiaram no período de preparação

. “O sentimento que me preenche agora é gratidão. Teve muita gente que esteve comigo todo esse tempo. Todos os treinadores, os preparadores, fisioterapeutas, médicos, amigos de treino, adversários, família e amigos. A galera ficou acordada até tarde para torcer. Hoje, todo mundo nadou comigo, essa medalha é de todo mundo”, declarou o nadador ao Comitê Olímpico do Brasil (COB).

Com informações da Agência Brasil, Sputnik,  Rede Globo

 

Leia também:

Gabriel Medina foi roubado? Entenda o que há por trás do resultado na semifinal