Prefeito não desceu para estar com os manifestantes, obedecendo a Justiça Eleitoral, evitando assim cassação prematura de sua candidatura à reeleição.

Marcus Vinícius de Faria Felipe

 

Apoiadores do prefeito Iris Rezende (MDB) realizaram hoje uma carreata, que teve início a partir do Estádio Serra Dourada até o Paço Municipal. Com faixas “As obras não podem parar”, “Fica Iris” e bandeiras do MDB , os manifestantes se aglomeraram nem frente ao Paço Municipal, onde carros de som e telões mostram imagens e tocaram jingles da campanha de 2016.

O prefeito não saiu ao encontro dos aliados, por recomendação da Procuradoria do Município, que alertou para que o ato poderia configurar ato de campanha, o que é vedado pela Justiça Eleitoral, e pode levar a cassação do registro do candidato que desobedecer esta determinação do TRE (Tribunal Regional Eleitoral). Iris recebeu a carta-manifesto dos correligionários, onde é feito formalmente o pedido de que o prefeito “desista de desistir” de concorrer a sua reeleição.

E o fato politico maior do evento é esse: Se Iris não saiu do Paço ao encontro dos manifestantes é sinal de que ele pode “desistir de desistir”?.

Ora, se o prefeito descumpre a determinação da Justiça Eleitoral e recebe os apoiadores, configuraria aí o mais claro sinal de que aposentou-se de vez das lides políticas. Se não o fez, é porque ainda tem dúvidas? Há um fio de esperança para os seus apoiadores? Iris pode refluir e participar da convenção do MDB no dia 16 como candidato oficial do seu partido?

Esta é a impressão que fica.

Este não é o único fato relevante da semana.

O anuncio da aposentadoria foi no dia 25 de agosto.  Passaram-se nove dias e o prefeito não anunciou o seu sucessor.

Não citou nenhum nome. Está quieto.

O finado presidente Tancredo Neves dizia que “o silêncio não comete erros”.

No MDB o ex-governador e ex-prefeito Maguito Vilela luta para viabilizar-se, mas sabe que sem a “unção” de Iris, periga dividir o MDB, tal e qual na campanha de 2018, quando parte do partido ficou com o candidato da legenda, o deputado federal Daniel Vilela, e outra parte seguiu a candidatura do senador Ronaldo Caiado (DEM).

Nos bastidores, fala-se que Maguito topa uma aliança com Caiado nestas eleições, firmando também compromisso para 2022, quando o governador poderá disputar a sua reeleição.

O Fica Iris é um fato novo.

O silêncio de Iris dá folego ao movimento, que agrada ao Paço e ao Palácio das Esmeraldas.

Se Iris não passa o bastão é porque ainda sente que pode seguir em frente.

Política se faz mais de gestos e sinais do que de palavras.

Está aí mais um indicativo de que, em se tratando de Iris, somente quando a ata da convenção ficar pronta é que se sabe quem será o candidato do MDB.