O prefeito Iris Rezende visitou no sábado (19/12) o Corredor T-7, maior exemplo de acessibilidade e mobilidade urbana da capital. A obra foi projetada para garantir mobilidade de todos os modais – ônibus, na faixa exclusiva à direita da pista; bicicletas, na ciclovia implantada no canteiro central; e carros, na faixa normal da via.

 

 

Todo trajeto conta com as condições de trânsito seguro para pedestres e pessoas com mobilidade reduzida, por deficiência física ou visual. Nos 10,5 km do Corredor foram implantados 20.587 m de calçadas com 447 rampas de acesso a cadeirantes; 19.686,12 m de piso tátil para o direcionamento seguro de pessoas com deficiência visual; e 44 abrigos de ônibus estão sendo instalados no nível da calçada.

“Goiânia é uma cidade acolhedora onde convivemos pacífica e harmonicamente. Eu tenho orgulho de ter trabalhado durante toda a minha vida pública para proporcionar as melhores condições de vida para todos e promover acessibilidade e mobilidade às vias e equipamentos públicos aos goianienses, respeitando e garantindo a segurança e a cidadania de toda nossa gente”, explicou o prefeito Iris Rezende.

Para o secretário municipal de Direito a Humanos e Políticas Afirmativas, Filemon Pereira, os investimentos em acessibilidade são uma grande conquista pra Capital. “Todos os corredores e as principais avenidas em construção estão com total acessibilidade arquitetônica, como rebaixamento de guia, piso tátil e abrigos de ônibus com espaço para pessoas em cadeiras de rodas”, afirmou.

O secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos, Dolzonan da Cunha Mattos, lembra que as discussões sobre a implantação de calçadas acessíveis em Goiânia começaram em 2009, no Fórum da Engenharia Goiana. “A discussão no âmbito do Fórum era no sentido de sugerir e propor a execução de calçadas em todos os imóveis da cidade a fim de proporcionar acessibilidade e seguranca, principalmente de idosos, deficientes e pessoas com mobilidade reduzida, mas as discussões evoluíram e hoje temos uma legislação municipal que disciplina a construção de calçadas em Goiânia, garantindo a acessibilidade”, informou.

Trânsito
No projeto a ser implantado, o corredor contará com um sistema semafórico inteligente que dará maior fluidez ao trânsito de pessoas e veículos, evitando congestionamentos, gerenciado pela Secretaria Municipal de Trânsito Transporte e Mobilidade (SMT) e pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Trabalho, Ciência e Tecnologia (SEDETEC). Os dutos para a instalação de fibra óptica que fará a conexão do sistema de monitoramento e semáforos inteligentes já foram implantados.

O engenheiro Carlos Alberto de Miranda, analista em Obras e Urbanismo da SMT, explicou que “os semáforos inteligentes foram desenvolvidos visando uma locomoção urbana mais eficiente, em que o fluxo de veículos é detectado a 200 metros antes do semáforo e, no momento em que o veículo passar pelo sensor, os dados são enviados automaticamente para a controladora que, por sua vez, monitora os intervalos que o semáforo deve operar, oferecendo a melhor circulação, tanto de pedestres quanto de veículos”.

O Corredor T-7 tem uma extensão de aproximadamente 10 km, atingindo mais de 12 bairros, em três regiões da Capital, compreendendo a Rua Dona Gercina Borges Teixeira, no Centro, passando pelas Avenidas Assis Chateubriand, T-7, C-4, C-12, C-17, Araxá e Avenida Belo Horizonte, até o Terminal das Bandeiras, na Vila União. Uma população de 182 mil pessoas dos bairros Vila Alpes, Vila União, Vila Lucy, Jd. Ana Lúcia, St. Sudoeste, Jd. América, St. Bueno, St. Oeste, St. Sul, St. Central e Jd. Europa é impactada pela obra. Em todo o Corredor operam 13 linhas de ônibus.