Em entrevista a Rádio Itatiaia, de Belo Horizonte, o médico Carlos Starling diz que UTIs estão cheias de quem confiou nos remédios indicados pelo governo de Jair Bolsonaro, que foi garoto-propaganda de medicamentos sem eficácia comprovada

O infectologista Carlos Starling, membro do Comitê de Enfrentamento à Epidemia da Covid-19 na Prefeitura de Belo Horizonte, criticou na manhã desta segunda-feira (18) o uso dos medicamentos indicados pelo governo federal como uma forma de prevenção à covid-19.

O próprio presidente Jair Bolsonaro foi um incentivador contumaz da cloroquina, azitromicina e ivermectina, que não têm eficácia comprovada no combate à doença.

O médico ressaltou que, nesse domingo (17), durante a aprovação do uso emergencial de vacinas contra o novo coronavírus, a Agência Nacional de Vigilânia Sanitária (Anvisa) que não existe remédio que previna a covid-19. “A Anvisa deixou muito claro ontem que não há tratamento precoce. O kit ilusão, como eu chamo, esse pacote de remédios que o governo entrega, não tem a menor validade, não passou pela Anvisa”, disse o infectologista em entrevista ao Jornal da Itatiaia 1ª Edição.

“Portanto, é algo inócuo e, aliás, prejudicial à população. Dar corticoide às pessoas no princípio do tratamento libera o vírus, libera o crescimento viral e piora o prognóstico dos pacientes. Nós estamos cheios desses pacientes nas nossas UTIs, que estavam confiando nesse kit”, completou Starling.