A Hapvida Saúde informou que não anuncia mais no programa Alerta Amazonas, do apresentador bolsonarista Sikêra Jr., e recebeu os cumprimentos do ex-deputado Jean Wyllys.

Foi resultado da campanha lançada pelo site Sleeping Giants, que pretende desmonetizar o programa em rede nacional por conta das ofensas criminosas cometidas por Sikêra a pessoas LGBTQIA+.

“Já pensou ter um filho viado e não poder matar?”, já disse o apresentador, que comparou homossexuais a pedófilos.

O presidente Jair Bolsonaro e os filhos frequentam o programa.

A Hapvida Saúde informou que não anuncia mais no programa Alerta Amazonas, do apresentador bolsonarista Sikêra Jr., e recebeu os cumprimentos do ex-deputado Jean Wyllys.

Foi resultado da campanha lançada pelo Sleeping Giants, que pretende desmonetizar o programa em rede nacional por conta das ofensas criminosas cometidas por Sikêra a pessoas LGBTQIA+.

Veja o vídeo abaixo:

 

O presidente Jair Bolsonaro e os filhos frequentam o programa.

Sikêra recebeu R$ 120 mil reais em cachês em dinheiro público do governo federal para participar de campanhas publicitárias.

A construtora MRV também já informou que não vai mais patrocinar o programa: “A MRV acredita na diversidade e não compactua com qualquer forma de preconceito. O programa Alerta Amazônia já não faz mais parte dos nossos planos de mídia”.

A campanha também fez alertas a outros quatro patrocinadores da CNT: Ultrafarma, Sky, Seara e Lojas Americanas.

Sikêra recebeu R$ 120 mil reais em cachês em dinheiro público do governo federal para participar de campanhas publicitárias.

A construtora MRV também já informou que não vai mais patrocinar o programa: “A MRV acredita na diversidade e não compactua com qualquer forma de preconceito. O programa Alerta Amazônia já não faz mais parte dos nossos planos de mídia”.

A campanha também fez alertas a outros quatro patrocinadores da CNT: Ultrafarma, Sky, Seara e Lojas Americanas.

Fonte: Viomundo

 

Leia também:

Vereadora Ana Lúcia: Ricardo Barros já trouxe a Maringá o “rei da fraude”, que prometeu fábrica de aeronaves e hoje está preso. Agora, Barros “será fritado” por Bolsonaro