Prefeito fez uma live no Instagram demonstrando a gravidade do momento: em uma semana houve aumento de 50 para 800 casos e também alta no número de óbitos, levando a ocupação de 40% dos leitos destinados ao covid19 no município.Com o aumento expressivo dos casos de Covid-19 nos últimos dias, Aparecida de Goiânia entra em risco moderado, ou seja, no cenário amarelo da portaria 035/2020 (https://webio.aparecida.go.gov.br/diariooficial/download/1410).

Diante deste cenário, o prefeito Gustavo Mendanha (MDB) e o secretário municipal de Saúde, Alessandro Magalhães, que também preside o Comitê de Prevenção e Enfrentamento à Covid-19, afirmam que medidas mais rigorosas, como a ampliação do escalonamento regional, precisaram ser tomadas nesta semana para proteger as pessoas. Aparecida adotou no primeiro momento, em março, o isolamento social horizontal e com o escalonamento regional o modelo de isolamento social intermitente. No cenário vermelho, o comércio poderá fechar 10 dias e abrir quatro dias, considerando 14 dias, que são necessários para conter o avanço do vírus.

Gustavo antecipou as medidas numa live feita às 6h15 da manhã de hoje no Instagram. Muito preocupado, o prefeito revelou que estava acordo desde as 4 da manhã acompanhando os boletins, e disse que Aparecida de Goiânia experimenta um crescimento avassalador no número de contágios, que era de 30 a 50 por semana, e nos últimos dez dias passou para 800 contaminações e 32 óbitos.

Estou desde as 4 horas da manhã acordado e é preciso que as pessoas tenham noção que os próximos dias serão dias difíceis. Parte da população não compreende os riscos que estamos vivendo, e infelizmente estes próximos dias serão muito difíceis. Chegamos a 40% dos leitos ocupados, 32 óbitos, e o que mais assusta é os números estão crescendo muito rápido Só para se ter uma idéia, nas últimas semanas estávamos num crescimento de 30, no máximo 50 casos por semana, e nesta última semana estamos tendo um salto. Em dez dias tivemos 800 novos casos, enquanto em outra época estávamos com 50 casos semanais no máximo, agora são, em média, 70 casos diários”, revelou Gustavo.

O prefeito fez um pedido para que as pessoas compartilhem dados verdadeiros nas redes sociais, e evitem cair na armadilha das fake news (notícias falsas):

Por conta desta discussão ideológica no país, tem pessoas que pensam que esta doença não existe, que é uma invenção da Rede Globo, e outras coisas mais. Eu digo que o estágio que temos hoje é diferente daquele que Manaus e Belém já viveram, pois lá eles estão saindo do pico da doença, e a gente talvez só atinja isto no final do mês de julho. Então é agora que vamos viver este momento de dificuldade. Agora é hora de termos consciência e responsabilidade, adverte.

Outra preocupação de Gustavo Mendanha é com o respeito às normas sanitárias. Ele relata que ainda há pessoas frequentando distribuidoras de bebidas e feiras sem máscaras, e que foram observados casos de empresas que não fornecem equipamentos de proteção individual (EPIs) aos funcionários e que permitem que consumidores adentrem no estabelecimento sem máscaras.

Provavelmente vamos enfrentar este caos que estas outras cidades viveram, principalmente em ambientes que vocês sabem que tem muitas pessoas. Se vocês chegarem a um comércio onde não tem ninguém usado os EPI’s, e desrespeitando as normas evite e denuncie”, adverte.

Medidas

Desde o dia 08 de junho, com o objetivo de aumentar o índice de isolamento social em Aparecida de 36% para mais de 50%, considerado o mínimo ideal pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a Prefeitura adotou o escalonamento regional do comércio. “O escalonamento regional deu certo, com mais de 95% de adesão dos comerciantes, o que diminuiu o número de pessoas nas ruas. Mas uma parcela da população não entendeu nosso alerta, e atingimos o primeiro, dos três gatilhos que fariam nosso cenário ser alterado. Com aumento da ocupação dos leitos de UTI precisamos de medidas mais rigorosas, o que não gostaríamos de fazer, mas será necessário sempre que aumentar o risco para o que de há mais sagrado, que é a vida humana. A Covid-19 nos obriga a tomar decisões difíceis, porém essenciais”, frisou o secretário de Saúde de Aparecida, Alessandro Magalhães.

Cenários da pandemia

Para planejar o rodízio do comércio, foi criado um sistema de cenários em cores baseado nos números da Covid-19 em Aparecida e nas diretrizes da OMS e do Ministério da Saúde (MS). No mais brando, o verde, é previsto que o comércio em cada macrozona do município feche uma vez de segunda a sexta-feira. No amarelo, de risco moderado (atual), todas as macrorregiões passam a fechar também aos domingos. No laranja, de risco alto, elas fecham duas vezes por semana e em parte dos sábados e aos domingos, com exceção dos serviços de Saúde de urgência e emergência, supermercados e farmácias. No vermelho (risco altíssimo), aumentam para três os dias de fechamento durante a semana e fecham-se aos sábados e domingos, com exceção dos serviços e empreendimentos já citados.

“A população precisa se conscientizar. Estamos com 34% de isolamento e ainda há aglomerações, saídas desnecessárias para passear e visitar parentes e amigos, e não é momento para isso. Desde 22 de abril estamos focados no planejamento e nas ações de combate à pandemia para evitar o colapso da rede e promover uma flexibilização responsável do funcionamento das atividades econômicas com a validação do Comitê de Prevenção e Enfrentamento. Todavia, é indispensável a adesão da sociedade para que continue dando certo. Ampliamos o número de leitos de UTI, já testamos mais de 13,5 mil pessoas e monitoramos todos os infectados, dentre várias outras medidas, e com isso mantivemos um cenário estável em Aparecida até agora”, destaca o secretário Alessandro Magalhães.

Isolamento social, a melhor prevenção

Ele ainda ressalta as orientações à população: “Nunca é demais repetir: Fiquem em casa. Quem puder, deve evitar sair, e quem não puder deve sair apenas para o estritamente essencial e sempre usando máscara (cobrindo boca e nariz) e tomando cuidados como a higienização das mãos e mantendo o distanciamento entre as pessoas. Com quem tem insuficiência renal crônica e doenças respiratórias e cardiovasculares, além de idosos, pessoas com problemas imunológicos, bebês e gestantes, o cuidado deve ser ainda maior porque são mais vulneráveis à Covid-19”, disse o secretário Alessandro Magalhães.

O escalonamento regional continua durante a semana. Foto: Avenida Igualdade. (Rodrigo Estrela

)

Exceções

Conforme previsto no Artigo 7º da Portaria 035/2020, não estão incluídas no escalonamento regional as feiras livres e especiais (que seguem portaria própria); estabelecimentos de assistência à saúde no atendimento de urgência e emergência, incluindo os serviços odontológicos e hospitalares; estabelecimentos que prestem serviços funerários; e atividades de organizações religiosas (que também seguem portaria própria); e atividades de segurança pública e privada.

Também estão fora do escalonamento as empresas situadas nos polos industriais do município que realizem o transporte de seus funcionários; transportadoras; empresas nas margens das BRs que realizem o transporte de seus funcionários; empresas de medicamento (fabricação e distribuição); delegatórios de serviços públicos; bancos e agências lotéricas; farmácias através de delivery (sem porta aberta); órgãos públicos.

Com o cenário amarelo, entram no artigo que lista as exceções, mas apenas aos domingos as farmácias, que podem funcionar com porta aberta, supermercados, padarias, restaurantes em formato delivery ou drive-thru e postos de combustíveis. As novas alterações serão publicadas ainda nesta quarta-feira, 24, no Diário Oficial Eletrônico de Aparecida.

Números

De acordo com a Secretaria de Saúde de Aparecida de Goiânia, até as 17 horas desta segunda-feira, 22, o município já coletou mais de 13,5 mil amostras de material para realização de testes de diagnóstico de Coronavírus. Os exames são do tipo RT-PCR, que é considerado o padrão ouro para esse diagnóstico. Confira o atual cenário:

1.765 confirmados;
996 recuperados;
32 óbitos;
29 hospitalizados.

 

 Confira a íntegra da manifestação do prefeito:

Gustavo: preocupação

Estou desde as 4 horas da manhã acordado e é preciso que as pessoas tenham noção que os próximos dias serão dias difíceis. Parte da população não compreende os riscos que estamos vivendo, e infelizmente estes próximos dias serão muito difíceis.

Chegamos a 40% dos leitos ocupados, 32 óbitos, e o que mais assusta é os números estão crescendo muito rápido Só para se ter uma idéia, nas últimas semanas estavamos num crescimento de 30, no máximo 50 casos por semana, e nesta última semana estamos tendo um salto. Em dez dias tivemos 800 novos casos, enquanto em outra época estávamos com 50 casos semanais no máximo, agora são, em média, 70 casos diários.

A última semana tivemos 14 óbitos, enquanto neste período todo (de março a junho) foram um ou dois óbitos por semana, a maioria pessoas idosas, e infelizmente estamos começando a perder pessoas abaixo da faixa etária dos 60 anos, e tivemos também uma jovem que veio a falecer. Assim, nesta semana tivemos dois, três óbitos por dia. Com este quadro estamos entrando no chamado risco amarelo, e diante disso, aos domingos estaremos fazendo o fechamento do comércio, deixando apenas as atividades essenciais, como supermercados e farmácias. Daqui a pouco estaremos no risco laranja e teremos que fechar mais um dia na semana.
Estou dizendo isto, porque ontem vi um vídeo da feira do Garavelo, e estou andando pela cidade e vendo que algumas pessoas, infelizmente, estão brincando, e isto me deixa muito assustado. Enquanto nós tinhanos a perspectiva de segurar a doença a gente ficava mais tranquilo, mas como pai de família, como filho de Aparecida me atrevi a fazer este vídeo, sem ainda nem ter penteado o cabelo e me arrumado porque estou desde as 4 da manhã acordado.

Eu digo isto para que todos que tenham cuidado. Aqueles que puderem ficar em casa, permaneçam em casa, quem tiver que sair para trabalhar, que o faça com responsabilidade. Eu ainda vejo pessoas indo as distribuidoras ficando lá sem máscaras e isto é preocupante.

A gente tem trabalhado com muito equilíbrio e responsabilidade, tentando manter os empregos, pois isto é importante, mas infelizmente tem muitas pessoas que talvez por conta da ganância, tem trabalhado sem ofertar as EPI´s aos funcionários, principalmente em locais fechados. Daqui a pouco teremos reuniões. Agora são 6h15 da manhã, e logo depois vamos repassar estes preocupações.

Acho que a gente tem que ter consciência dos riscos que cada um de nós enfrentamos. Esta doença é muito séria, e pedir a você que tem liderança nas suas redes sociais, que ajude a divulgar coisas que são importantes.

Por conta desta discussão ideológica no país, tem pessoas que pensam que esta doença não existe, que é uma invenção da Rede Globo, e outras coisas mais. Eu digo que o estágio que temos hoje é diferente daquele que Manaus e Belém já viveram, pois lá eles estão saindo do pico da doença, e a gente talvez só atinja isto no final do mês de julho. Então é agora que vamos viver este momento de dificuldade. Agora é hora de termos consciência e responsabilidade.

Eu sei que temos um crise, que o desemprego está deixando muita gente em dificuldade, mas isto também tem que ter o equilíbrio. Muitos tem que trabalhar com preocupação e medo como estou, que estou me recuperando de uma trombose, mas a gente vê parte da população sem temor, sem responsabilidade e o resultado é que os casos estão aumentando muito. Provavelmente vamos enfrentar este caos que estas outras cidades viveram, principalmente em ambientes que vocês sabem que tem muitas pessoas. Se vocês chegarem a um comércio onde não tem ninguém usado os EPI’s, e desrespeitando as normas evite e denuncie.

Você que é comerciante, e está permitindo pessoas entrarem sem máscara está colocando em risco a si mesmo e aos seus funcionários, e colocando em risco as outras pessoas que frequentam o seu estabelecimento.
Hoje já estamos com dois secretários, um vereador e vários servidores contaminados. Antes tínhamos uma pessoa necessitando ser entubada e levada para UTI, agora são cinco, sete, então realmente os próximos dias serão difíceis, assim, neste próximo domingo já estaremos fechando, deixando apenas os serviços essenciais, e o que peço a todos ´que tenham cuidado e muita responsabilidade. Deus abençoe a todos nós.