Vice-presidente do Consórcio Conectar, prefeito de Aparecida participa de reunião com Ministério da Saúde nesta quinta-feira, 15 de abril para definir compra de imunizante russo.

O Consórcio Nacional das Vacinas das Cidades Brasileiras (Conectar), do qual Aparecida e outras 30 cidades goianas participam, se reuniu nesta terça-feira, 13, para dar continuidade às tratativas com o Fundo Soberano Russo para compra de 30 milhões de doses da vacina Sputnik V. A reunião foi virtual e contou com a presença do prefeito de Aparecida, Gustavo Mendanha, que é vice-presidente do Consórcio Conectar para cidades não-capitais da Região Centro-Oeste.

O Fundo Soberano Russo representa o Instituto Gamaleya, produtor da vacina e a perspectiva é que, se confirmada a aquisição, remessas iniciais do imunizante contra Covid-19 cheguem ao País já em maio, totalizando 5 milhões de doses até junho deste ano. A vacina Sputnik V tem o preço mundial tabelado em US$ 19,90 (valor por pessoa, somando as duas doses).

“O empenho da Frente Nacional de Prefeitos e de todos que participam do Consórcio das Cidades Brasileiras pelas Vacinas é unir esforços para acelerar a execução do Plano Nacional de Imunização”, sintetizou Gustavo Mendanha.

Após consultar outros fornecedores, o presidente do Conectar, Gean Loureiro, prefeito de Florianópolis (SC), afirmou ontem que viu no Fundo Soberano Russo “uma oferta concreta de vacinas”. A Sputnik V aguarda aprovação da Anvisa. Segundo Loureiro, a estimativa é que a Agência autorize ainda neste mês o uso da vacina no Brasil.

A expectativa é as vacinas cheguem ao Brasil três semanas após a assinatura do contrato. Nesta quinta-feira, representantes do Consórcio das Cidades se reúnem com o Ministério da Saúde para tratar sobre o tema que pode acelerar o Plano Nacional de Imunização (PNI). Além desta frente, os prefeitos e prefeitas também estão em tratativa com a Organização PanAmericana de Saúde (OPAS) para conseguir doses excedentes adquiridas pelos Estados Unidos.

Negociação

O Conectar se reunirá nesta quinta-feira (15) com o Ministério da Saúde para tratar da compra das vacinas russas. Alguns dos principais pontos para alinhar com a pasta são o apoio logístico do governo federal para transportar as doses ao Brasil e a distribuição das vacinas, vez que o Ministério da Saúde precisa ainda regulamentar a Lei 14.124/2021, que autoriza a aquisição de imunizantes contra Covid por estados e municípios.

Empréstimo de vacinas junto ao governo americano

Aparecida tem participado de tratativas do Consórcio também com o governo americano. O coletivo integrado por quase 2 mil municípios dialoga com os Estados Unidos para que o país ceda ao Brasil, a título de empréstimo, doses da vacina AstraZeneca/Oxford.

Outro objetivo do Conectar é a aquisição de insumos de saúde. Para garantir a oferta de medicamentos e instrumentos de trabalho dos profissionais de saúde, os municípios estão dialogando com a Organização Pan-Americana de Saúde. A entidade já acenou para a possibilidade de ajudar o Consórcio nas negociações com fornecedores internacionais.

Depois de abrir diálogo para cooperar com o Consórcio de Governadores do Nordeste, que já formalizou a compra de 37 milhões de doses da Sputnik V, o Conectar busca parceria com o Instituto Butantan. A intenção é adquirir doses da vacina Coronavac.

O Butantan, segundo informou o Consórcio, se prontificou a fazer a ponte entre os municípios e o laboratório chinês Sinovac para a compra de vacinas que poderiam ser entregues entre os próximos meses de setembro e outubro.