Prefeito promoveu ontem  videoconferência com médicos, cientistas e especialistas em infectologia em debate que foi acompanhado pela imprensa, que reuniu o diretor do Hospital Sírio Libanês, Paulo Chapchap, e a médica infectologista da Universidade Federal de Goiás (UFG) Cristiana Toscano, que integra equipe da Organização Mundial da Saúde (OMS) que desenvolve vacina contra a Covid-19.

Intitulado “O modelo de Aparecida no enfrentamento à Covid-19, o webinário, mediado pelo prefeito Gustavo Mendanha e realizado pela aplicativo Zoom, sendo também transmitido pelas redes sociais da prefeitura, contou ainda com a participação de jornalistas, empresários, representantes de organizações sociais e civis e a população em geral.

Durante a apresentação, o secretário municipal de Saúde, Alessandro Magalhães, que também preside o Comitê de Prevenção e Enfrentamento à Covid-19 em Aparecida, apresentou as medidas adotadas logo no início da pandemia para conter a disseminação do vírus. O gestor apontou aos presentes na sala virtual que a administração se capacitou para o enfrentamento investindo na ampliação de leitos hospitalares, na testagem em massa e na capacitação dos servidores, principalmente aqueles que estão na linha de frente da força-tarefa.

Entre as ações realizadas pela Secretaria de Saúde de Aparecida (SMS) desde março deste ano, estão a capacidade de testagem ampliada de 15 testes semanais para mais de 300 testes diários que mensuram a transmissão da Covid-19 no município, além de 1,2 mil testes feitos mensalmente através de pesquisa por amostragem nos domicílios. “E mais: como medida preventiva, assim que a OMS declarou a situação de pandemia, em março, a gestão agiu imediatamente determinando o fechamento das atividades econômicas não essenciais na cidade por 30 dias ininterruptos”, sublinhou Alessandro Magalhães.

O secretário explanou, ainda, que em abril, quando estudos técnicos da UFG e do Comitê de Prevenção e Enfrentamento ao novo Coronavírus apontaram o controle da epidemia na cidade como estável, a Prefeitura de Aparecida autorizou a reabertura responsável de 82% das atividades do comércio local. Àquela altura, o Hospital Municipal de Aparecida (HMAP), que virou referência no tratamento de Covid-19 na cidade, já contava com mais 90 leitos novos exclusivos para pacientes com coronavírus.

“Hoje temos no Hmap 50 leitos de UTI com respiradores mecânicos e 60 leitos de semi-UTI. Há ainda outros 13 leitos de UTI com respiradores no Hospital Garavelo, conveniado. Esses leitos estão disponíveis para usuários do SUS”, disse o secretário, salientando, ainda, que agora em junho foi colocado em prática um modelo de escalonamento regional por macrozonas que tem como objetivo aumentar o isolamento social, que hoje é de 36%, para 50%, que é o recomendado pela OMS, e tem obtido a adesão de 98% dos comerciantes.

“Conseguimos avançar na construção e organização de um pacote bastante robusto para acompanharmos toda a situação. Expandimos nossas atividades de telemedicina desde o dia 18 de maio, possibilitando que os médicos de Aparecida possam trocar conhecimentos com médicos da nossa rede que tiveram contato primeiro com a doença. Essa parceria, com uso de dados e indicadores em saúde pública, e baseada na literatura científica, são relevantes nesse momento, disse o mestre em Ciências Humanas e especialista em Gerenciamento de Projetos do Hospital Sírio Libanês, Rafael Saad.

Logo após a apresentação do consultor, o prefeito Gustavo Mendanha enfatizou que essa parceria trouxe resultados palpáveis para a saúde em Aparecida. “Esse trabalho em conjunto é fundamental, nossos servidores estão dando um show e os resultados são positivos”, destacou sobre a parceria com o Sírio Libanês.

Isolamento Social

Única brasileira na equipe da OMS que trabalha no desenvolvimento de uma vacina contra a Covid-19, a médica infectologista Cristiana Toscano comentou a importância da testagem em massa da população no controle da pandemia e destacou na videoconferência estudos e gráficos demonstrando que o Brasil ainda está em “período de ascensão” da doença. Ela também apresentou dados de contágio da doença conhecidos até o momento e frisou que Aparecida, que implementou diversas medidas de combate, “está no caminho certo”.

A doutora ainda pontuou que o isolamente e o distanciamento sociais são as melhores medidas para achatamento da curva de contágio e assim melhorar o atendimento nas unidades de saúde, pois a transmissão ocorre com o indivíduo pré sintomático. Cristiana explica que, de acordo com as projeções da UFG, se mantido o baixo isolamento social nas cidades goianas, o número de doentes crescerá consideravelmente nos próximos meses.

“Observamos que o isolamento atingido no início de março foi crucial, mas percebemos redução desse número e aumento progressivo da transmissão do vírus. Segundo nossas projeções, no final de julho, Aparecida, se manter o isolamento social em 35%, irá precisar de 326 a 365 leitos de UTI por dia”, alertou.

Diante dos dados apresentados, o secretário de Saúde de Aparecida, Alessandro Magalhães, reforçou que as medidas preventivas adotadas pela administração colocam a cidade, neste momento, em uma situação melhor do que a apresentada nas projeções. Segundo o secretário, o monitoramento dos pacientes permite que os números sejam acompanhados e atualizados periodicamente.

Questionado se a cidade acertou ao aumentar a flexibilização das atividades comerciais e produtivas, o secretário apontou que tudo foi feito com base em estudos técnicos e também de acordo com a capacidade de atendimento da rede de saúde local. “Hoje, podemos apontar que acertamos quando aumentamos a flexibilização das atividades comerciais. Talvez precisaremos mudar, mas neste momento os dados apontam que estamos dentro do previsto; acredito que acertamos sim”.

Reconhecimento

Antes de deixar a reunião para assumir outro compromisso, o diretor do Hospital Sírio Libanês, Paulo Chapchap, ressaltou que a parceria com a rede privada e a saúde pública de Aparecida apresenta resultados satisfatórias e melhoria para a população. “Aparecida tem trabalhado com muita seriedade e compromisso. Para nós do Sírio, é um privilégio e um prazer colher junto com a cidade os frutos desse trabalho”.

Cristiana Toscano, ao final do encontro, parabenizou a gestão, que, segundo ela, “tem trabalhado muito proativamente”. A médica infectologista da UFG também se colocou à disposição da cidade para a realização de parcerias ou pesquisas sobre a doença.

Números

De acordo com a Secretaria de Saúde de Aparecida de Goiânia, até as 17 horas desta segunda-feira, 15, o município já coletou mais de 9,2 mil amostras de material para realização de testes de diagnóstico de Coronavírus. Os exames são do tipo RT-PCR, que é considerado o padrão ouro para esse diagnóstico. Confira o atual cenário de casos em Aparecida:

1.177 confirmados;
610 recuperados;
19 óbitos;
21 hospitalizados.

Segue link do Webnar – https://www.facebook.com/PrefAparecida/videos/1436111883258675/?d=w