A porta-voz da primeira ministra Alemã Ângela Merkel, Steffen Seibert afirmou que “a chanceler está convencida que a questão das queimadas na Amazônia devemconstar na agenda dos países do G7 quando se reunirem este final de semana””. Este é o mesmo posicionamento dos governantes da França, Canadá e Irlanda.

“A magnitude dos incêndios no território da Amazônia é assustadora e ameaçadora, não só para o Brasil e os outros países envolvidos, mas para todo o mundo”, acrescentou Seibert.

De acordo com o primeiro-ministro do Canadá, é preciso “agir pelo planeta”.

“Eu não poderia concordar mais, Emmanuel Macron. Fizemos muitos trabalhos para proteger o meio ambiente no G7 do ano passado, em Charlevoix, e precisamos continuar neste fim de semana. Precisamos de #ActForTheAmazon (agir pela Amazônia, em tradução livre) e agir pelo nosso planeta —nossos filhos e netos estão contando conosco”, escreveu Trudeau ao republicar, na rede social Twitter, mensagem anteriormente escrita por Macron.

O primeiro-ministro da Irlanda, Leo Varadkar, ameaçou votar contra o acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul se o Brasil não respeitar seus “compromissos ambientais”, em meio a críticas ao presidente Jair Bolsonaro pelos incêndios que assolam a Amazônia.

“De maneira alguma a Irlanda votará a favor do acordo de livre comércio UE-Mercosul se o Brasil não cumprir seus compromissos ambientais”, declarou o primeiro-ministro Leo Varadkar em um comunicado divulgado na quinta-feira à noite.

Para governante que gosta de utilizar termos como “cocô”  e “bosta”, o presidente Bolsonaro conseguiu emporcalhar a imagem do Brasil no mundo, e o que vem por aí é boicote de produtos brasileiros no exterior.

Leia maus:

Finlândia defende boicote à carne brasileira

Charge: Claudio Aleixo