Em vídeo, Nassif frisa: “Peço desculpa ao governador Wilson Witzel se ele se sentiu ofendido, mas tem um jeito simples de resolver essa situação: é ele deixar de ser genocida”

Jornal GGN – Incomodado por ter sido taxado de “genocida”, o governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel enviou uma intimação por meio da Polícia Civil de São Paulo ao jornalista Luis Nassif.

Na quinta (7), Nassif, editor-chefe do GGN, recebeu em sua porta dois agentes da 3ª Delegacia de Investigações Interestaduais, um deles ostentando uma arma na cintura. Eles entregaram a carta que indicava um dia na próxima semana para que o jornalista seja ouvido a respeito das críticas a Witzel.

Em vídeo sobre a intimação, Nassif explicou que o conceito de genocida se encaixa perfeitamente em Witzel: é genocida o sujeito responsável pela proliferação de mortes indistintamente.

“Peço desculpa ao governador Wilson Witzel se ele se sentiu ofendido, mas tem um jeito simples de resolver essa situação: é ele deixar de ser genocida”, diz Nassif.

Para Nassif, Witzel estimula a polícia a matar indiscriminadamente, com sua política de “atirar na cabecinha”.

Foi alertado por especialistas em segurança sobre o erro em insistir nessa política e ignorou os conselhos. Acredita que suas operações em locais abertos só vai atingir marginais, sendo que mesmo que isso fosse verdade, não seria legal, pois não temos pena de morte no Brasil.

Na visão do editor-chefe do GGN, Witzel será responsabilizado em tribunal internacional, por crimes contra a humanidade, da mesma forma que ocorreu com Pinochet. Esse tipo de crime é imprescritível, e não há questão de soberania nacional que possa impedir o julgamento.

“Continuamos na trincheira dos direitos fundamentais e do direito à vida, e repetindo uma coisa que é de uma obviedade avassaladora: Witzel é um genocida”, finaliza Nassif.