Ex-presidente da Anvisa critica a notícia de que clínicas privadas buscam uma maneira de importar vacinas para serem comercializadas no Brasil

Da CNN:

A notícia de que clínicas privadas buscam uma maneira de importar vacinas para serem comercializadas no Brasil iniciou discussão sobre a possibilidade da iniciativa privada em iniciar a vacinação juntamente com o SUS. Em entrevista à CNN, o sanitarista e ex-presidente da Anvisa Gonzalo Vecina classificou a possibilidade como “imoral”.

O médico sanitarista Gonzalo Vecina Neto é ex-presidente e fundador da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e ex-secretário municipal de Saúde de São Paulo. Foto: Reprodução/Youtube

“Quem deve fornecer é quem tem a vacina e quem tem que garantir que ela chegue ao povo é o Estado brasileiro. Se a iniciativa privada quer ajudar o estado, deve fazer isso como subcontratado do Estado,” disse Vecina.

“Você não pode querer entregar a vacina para uma fábrica para imunizar seus trabalhadores de forma diferente da população em geral, isso é imoral no meio de uma pandemia. É um risco inaceitável para a população ter uma fila de vacinação antecipada para quem tem dinheiro”.

Leia também:

‘Bolsonaro atrasa a vacinação, favorecendo a rede privada’, diz Haddad