Desenvolvido pelo Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino, em parceria com a Zoox Smart Data, o aplicativo foi doado ao Governo de Goiás.

Chamado  “aplicativo Dados do Bem” vai permitur ao Estado e 78 prefeituras goianas  identificar suspeitos e diagnosticados com coronavírus, além de indicar quem deverá fazer o teste. Desta forma, as estratégias de isolamento social ou flexibilização serão ainda mais específicas para cada região ou bairro.

O aplicativo chega em boa hora. A Secretaria da Saúde de Goiás (SES-GO) informa que há 38.008 casos de doença pelo Covid-19 no Estado. Destes, há o registro de 11.429 de pessoas recuperadas e 910 óbitos confirmados. No Estado, há 91.494 casos suspeitos em investigação. Outros 41.788  já foram descartados.

Há 910 óbitos confirmados de Covid-19 em Goiás até o momento, o que significa uma taxa de letalidade de 2,39%. Há 61 óbitos suspeitos que estão em investigação. Já foram descartadas 559 mortes suspeitas nos municípios goianos.

Monitoramento em 78 cidades

A princípio, a adesão ao aplicativo  poderá ser feita pelos 78 municípios, entre os que têm o maior percentual de contaminação e as cidades turísticas. A escolha foi determinada por critérios técnicos elaborados pela Secretaria de Estado da Saúde (SES-GO), por meio da Superintendência de Vigilância em Saúde (Suvisa), em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

“Esses 78 municípios devem ter quase 2/3 da população de Goiás. Estamos falando de aproximadamente 4,5 milhões de pessoas. É um universo muito grande”, ressaltou o governador. Também nesta segunda-feira, Caiado anunciou a ampliação da testagem em massa da população dessas 78 cidades, a partir do rastreamento via aplicativo, e por meio de outra parceria. Desta vez, um convênio que está sendo firmado com o Instituto Butantan, de São Paulo, e o programa Todos Pela Saúde, do Banco Itaú em parceria com outros órgãos.

Para que o rastreamento seja realizado da forma adequada será necessário o empenho de cada município goiano para a divulgação e popularização do aplicativo, conforme o secretário da Saúde, Ismael Alexandrino. “É um projeto muito bem estruturado, mas o Estado não consegue executá-lo sozinho. Precisamos, mais do que nunca, fazer a nossa atenção primária funcionar neste momento e serem atores e protagonistas nesse processo”, pontuou. Ou seja, a atuação dos agentes de saúde, agentes de endemias, enfermeiros, técnicos de enfermagem e os médicos que atuam em cada cidade são fundamentais neste processo.

Como o app funciona?

Depois de baixá-lo na Google Play ou App Store, o cidadão deverá fazer um cadastro inicial, informando nome, endereço e número do CPF. Em seguida, a pessoa deverá informar a localização, ler a política de privacidade e responder algumas perguntas sobre autoavaliação, mesmo que não apresente nenhum sintoma da Covid-19. A partir dessas informações, o app indicará se o cidadão deverá ou não fazer um exame. “Se for o caso, a pessoa vai receber um QRCode no celular, que vai dizer qual local a pessoa tem que se dirigir para fazer o teste”, declarou o secretário da Governadoria, Adriano da Rocha Lima. Na unidade básica de saúde indicada pelo aplicativo, a pessoa mostrará o QRCode e o exame será realizado sem que haja a necessidade de uma nova triagem.

“Se o exame der positivo, aquele cidadão irá informar o nome de algumas pessoas que normalmente têm contato no dia a dia e essas pessoas receberão uma mensagem de texto pelo celular as convidando a também fazer o teste para saber se elas se contaminaram”, frisou o secretário. Essas informações ajudarão no mapeamento e entendimento da propagação do vírus em cada município. As pessoas não contaminadas ou que tiveram o resultado negativo poderão manter o aplicativo no celular para acompanhar as estatísticas da região. Além disso, é importante que os diagnosticados com o novo coronavírus façam um check-in diariamente para que seja analisada a evolução dos sintomas e que os dados sejam submetidos avaliação da disseminação da doença.

Adriano da Rocha Lima ainda destacou que as pessoas não precisarão gastar dados móveis para utilizar o aplicativo. Devido aos diversos patrocínios realizados, incluindo por operadoras de celular, a ferramenta será gratuita “Ao utilizar o app, mesmo que estiver fora da rede wi-fi, ele não consome de planos de dados do celular. É um app totalmente gratuito para se navegar”, explicou Adriano.

Isolamento específico

Com o rastreamento das pessoas contaminadas, as Secretarias de Saúde do Estado e dos municípios poderão adotar estratégias mais específicas. “Antes, você tinha que dar o remédio do isolamento para todos. A partir do momento que você tem o rastreamento, o isolamento é dado para aqueles que realmente precisam se isolar, que estão contaminados ou com grande risco de se contaminar pela convivência com os diagnosticados”, reforçou Adriano da Rocha Lima.

Segundo a superintendente de Vigilância em Saúde, Flúvia Amorim, o funcionamento do aplicativo e a testagem devem caminhar juntas. E para quebrar a corrente de transmissão da doença, é fundamental identificar os contaminados e sua rede de contatos. “Por isso a ampliação da testagem nesse momento”, afirmou. Assim que a SES-GO entender que o monitoramento dos contaminados nessas 78 cidades está seguindo de acordo com o planejamento, outras cidades também receberão novos testes. “O momento agora é testar, identificar contato, isolar e monitorar”, enfatizou