Vereador Felizberto Tavares (PR) defende que Goiânia inclua no seu planejamento urbano iniciativas que já foram experimentadas por outros grandes centros urbanos, como as usinas de resíduos sólidos, para dar destinação correta ao lixo, melhorias no trânsito e um grande debate na discussão do novo Plano Diretor.

Por Felizberto Tavares*

 

Estratégia: repaginar o layout de Goiânia. A metrópole inventada por Pedro Ludovico Teixeira. O interventor em Goiás. Designado pelo líder da Revolução de 24 de outubro de 1930.O  gaú­cho de São Borja, Getúlio Vargas, que depois teria entrado para a História com um tiro no pei­to e classificado como ‘Pai dos Pobres’.  Com o auxílio do arquiteto e urbanista Attílio Correa Lima. Uma cidade contemporânea da modernidade. O sonho virou realidade. Tempos depois, em 2019, o espaço urbano enfrenta graves problemas. Eles exigem uma solução imediata. Sim.

O caminho é operar com os conceitos cidadãos de mobilidade urbana, trânsito com fluidez e transportes públicos que prestem serviços de excelência a baixo custo. Metrô, VLT, uma licitação transparente para a exploração dos serviços de transporte de massas, ciclovias, corredores exclusivos, faixas preferenciais, mudanças de horário. O estímulo ao hábito de deixar o carro em casa. O veículo é movido a combustíveis fósseis. Eles degradam o meio ambiente, destroem a camada de ozônio e colaboram para o aquecimento global. Crise grave.

Uma nova destinação para os resíduos sólidos. É o que exige o meio ambiente. Com a reciclagem ao modelo de Estocolmo. A capital da Suécia. Moderno país nórdico com ‘Welfare State’ e com uma dos maiores IDHs do mundo globalizado. Com a renda revertida para a exe­cução de políticas públicas aos de baixo, aos excluídos, como fonte de geração de renda, em­prego e inclusão. Mais: uma ação coordenada entre Câmara Municipal de Goiânia, Ministério Público, Centro de Apoio Operacional e Procons. Motivo: atacar o cartel dos combustíveis

Em defesa do consumidor. A sua principal vítima. Do aumento injustificado dos combustíveis. Goiânia traz ainda indicadores econômicos, sociais e culturais negativos. Como uma das principais capitais mais desiguais da América Latina. Com um elevado índice de violência urbana. Altas estatísticas de feminicídios. Assim como de agressões homofóbicas. Registro: além de brigas, com óbitos, entre membros ou não de torcidas organizadas, dos dois principais rivais no futebol profissional da Capital do Estado de Goiás. Uma triste e trágica realidade.

*Felizberto Tavares, 47 anos, é graduado em Geografia e Direito, policial rodoviário federal, presidente da Comissão de Defesa do Consumidor e vereador da Câmara Municipal de Goiânia.