Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável revela que a Bacia do Rio Meia Ponte que abastece a Capital Goiânia e Região Metropolitana, saiu do nível de alerta e atingiu o Nível Crítico 1, o que significa que uma série de ações devem ser disparadas visando garantir os usos prioritários e o abastecimento de água para as áreas urbanas e rurais atingidas.

A definição do nível crítico foi baseada em um monitoramento das vazões entre os dias 15 e 21 de julho, e segue a deliberação 009/2019 do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Meia Ponte, correspondente à vazão de escoamento menor ou igual a 4,3 mil litros por segundo.

A partir desse índice, a Semad deve adotar uma série de medidas para o gerenciamento da crise hídrica na região.

Dentre tais medidas estão previstas como principais: (i) fica mantida a autorização para a SANEAGO captar 2000 L/s, reduzindo-se a quantidade de água que deve ser deixada no Rio após o ponto de captação; (i) intensificação das campanhas de promoção do uso racional da água; (iii) Divulgação da situação de criticidade à sociedade e setores usuários; (iv) Realização de reuniões para mobilização, orientação, fiscalização e enfrentamento da crise com os usuários da Bacia e (v) em caráter de precaução, a apresentação, pela SANEAGO, de Plano de Racionamento de uso da água.

Em uma política de transparência do Governo de Goiás, a Semad, em parceria com a Saneago, reafirma seu compromisso de prestar informação constante da situação de criticidade do Meia Ponte para toda a sociedade por meio de sites institucionais e imprensa. Como já vem sendo feito, as campanhas para incentivar o uso racional da água pela população continuam sendo divulgadas em diversos meios, como televisão, rádio, jornal e mídias sociais.

A campanha de orientação dos usuários e fiscalização será intensificada nesse período.

Usuários de toda a região vêm participando de reuniões para o enfrentamento da crise e o gerenciamento de demandas, tendo recebido toda a orientação necessária para que esse período de seca seja ultrapassado com os menores prejuízos possíveis.

Um novo nível de criticidade só poderá ser estabelecido após a vazão média permanecer por sete dias no nível crítico seguinte. Esse índice pode ser acompanhado diariamente neste site: http://crisehidrica.meioambiente.go.gov.br/

A SEMAD alerta sobre a absoluta necessidade de que a população contribua com a economia no uso de água e orienta os usuários rurais da Bacia a observarem estritamente os níveis que estão outorgados, devendo os usuários sem outorgas não efetivar o consumo de água, evitando assim possíveis sanções pelo uso irregular.(Com informações da assessoria de comunicação da Semad)