Prefeitura investe na conscientização de pais e crianças para acabar com o uso de cola e caco de vidro nas linhas das pipas e impedir que acidentes aconteçam no período das férias deste ano.

A prática de passar cola e pó de caco de vidro nas linhas das pipas é crime. O chamado cerol é utilizado por crianças e jovens nas guerras de pipas, onde o objetivo é cortar a linha do adversário, fazendo com que sua raia caia no chão. Este artifício, no entanto, causa acidentes graves e inclusive já levou várias pessoas á morte. Por isto a prefeitura de Goiânia lançou a campanha Pipa sem Cerol 2019, para conscientizar pais, crianças e jovens contra o uso criminoso desta mistura.

A campanha foi lançada ontem em solenidade de abertura foi realizada na Escola Municipal Antônio Fidelis, no Parque Amazônia, e contou com a participação de autoridades e alunos da instituição. A Guarda Civil Metropolitana (GCM) e Secretaria Municipal de Educação e Esporte (SME), estão á frente da campanha. A GCM vai fiscalizar e a SME, conscientizar.

A campanha Pipa sem Cerol é realizada há mais de dez anos pela Prefeitura de Goiânia. Desde 2016, não há registro de nenhuma vítima fatal por acidente com linhas cortantes. Somente na atual gestão, as equipes da Guarda Civil Metropolitana já recolheram 784 latas e carretéis de linhas, contendo cerca de um milhão de metros de material cortante, sendo cerol, linha chilena ou linha indonésia.

Tragédia

Um caso chocante, que demonstrou o perigo da linha com cerol foi a morte  da  jovem Gleice Évelin Galvão, que faleceu no dia 14/07/2013, em Goiânia, depois de ter o pescoço cortado por uma linha com cerol.  De acordo com matéria veiculada à época pelo portal G1, a jovem sonhava em ser modelo. Gleici havia se casado a apenas três meses e foi atingida quando estava na garupa da moto do esposo.

Conscientização
O aluno Yan Ferreira, de 10 anos, mostrou que já sabe como soltar pipa. Ele contou que em casa os próprios pais o orienta sobre os riscos das linhas cortantes e ressaltou a possibilidade de usar diversas outras linhas.

“Se a gente soltar pipa com cerol num lugar com muito movimento, pode pegar num carro ou numa moto e machucar as pessoas. Qualquer linha serve para brincar, menos o barbante, então é possível a gente se divertir sem colocar as pessoas em risco”, disse.

A representante da SME na solenidade, professora Maria da Luz Ramos, gerente de projetos educacionais, destacou mais um ano de parceria entre a Guarda. “É com alegria que a SME participa mais um ano desta campanha. A linha com cerol mata, nosso trabalho é de sensibilizar as crianças para que não usem o cerol nesse período propício de férias, para irem a um local adequado e fazer o uso consciente das linhas”, falou.