Segundo a reportagem do programa Fantástico, da Rede Globo, Caboclo chamou a funcionária para sua sala no segundo andar do prédio da CBF e pediu que ela tirasse a máscara e bebesse uma taça de vinho. Desconfortável, a mulher enviou mensagens para dois dirigentes, dos quais um inventou uma razão para ir até a sala do presidente. A funcionária foi para fora, mas Caboclo a chamou novamente, quando ela resolveu gravar a conversa. Esse episódio correu em 16 de março.

Segundo a denunciante, o diálogo ocorreu uma semana após ser chamada de ‘cadelinha’ por Caboclo durante uma jornada de trabalho na casa do presidente da CBF, em São Paulo. Ele teria consumido bebidas alcoólicas durante todo o dia, a ofendido e, então, oferecido biscoitos de cachorro para que ela comesse. Ela o repreendeu, ao que Caboclo passou a simular latidos.

No dia seguinte, a funcionária conversou com ele e contou ter se sentido humilhada. Caboclo disse que não interferiria na vida pessoal dela, mas exigiu que a mulher não tivesse mais nenhuma relação de amizade com outras pessoas da CBF. Nessa mesma conversa, o dirigente teria afirmado que as roupas da funcionária não eram adequadas para a função, exigindo que ela mudasse a maneira de se vestir e até oferecendo dinheiro para que ela comprasse um novo guarda-roupa.

O site globoesporte.com publicou um trecho do diálogo que foi gravado pela mulher e segundo ela comprova o assédio do presidente da CBF e também a intromissão na vida pessoal da funcionária.

Caboclo: Seu coração tá no cabeção ou no pilotão?

Funcionária: Em nenhum dos dois.

Caboclo: Em quem tá?

Funcionária: Não tá em ninguém, é verdade. Mulher consegue ficar bem sozinha.

Caboclo: Eu conheço minha mulher há 26 anos… Já apaixonei, pirei por amor.

(…)

Caboclo: Eu tinha te jurado que eu não ia falar sobre assuntos particulares. Ela tem a b***** dela e eu tenho o meu p** (…) Eu sou horroroso?

Funcionária: Chefe, eu não vou entrar no assunto da vida sexual de vocês (ri constrangida).

Caboclo: (…) Ela vai fazer ginástica, vai voltar tesuda (…)

Funcionária: Então, todo mundo… deixa ela ser feliz.

Caboclo: Sabe o que eu sou contra? Nada (…) Você quer uma taça de vinho? (…) Não… se não parece que eu tô louco (…) Posso te fazer uma pergunta?

Funcionária: Chefe, não vou me meter na sua vida sexual seu e da (…). Não vou, não vou.

Caboclo: Não é isso. É na sua.

Funcionária: Deixa a minha (vida pessoal) quietinha.

Caboclo: Você consegue resistir ao (…) todo dia dando em cima de você?

Funcionária: Consigo, nós somos amigos.

Caboclo: Eu não acredito.

Funcionária: Eu não tenho por que mentir, não.

Caboclo: Tá bom. Segunda pergunta. Posso?

Funcionária: Fala.

(…)

Caboclo: Você se masturba?

Funcionária: Chefe, tchau.

Caboclo: Ei…

Funcionária: Não quero falar disso, não quero. Eu vou avisar ao (…) que você tá lá embaixo.

Segundo o Fantástico, os áudios foram verificados por um perito, que garante não ter havido edição no conteúdo. Ele também confirmou que a voz era do próprio Rogério Caboclo. As falas da mulher foram preservadas para não revelar a identidade da vítima.

A defesa de Caboclo se manifestou em nota à Rede Globo, nega veementemente que ele tenha cometido qualquer ato de assédio, mas reconhece que houve brincadeiras inadequadas, afirmando que o dirigente e a denunciante eram amigos e que ele nunca tentou se aproveitar dela ‘de forma libidinosa’. Diz ainda que houve uma negociação para um acordo, no qual a funcionária receberia R$ 12 milhões em troca da não divulgação da gravação. A defesa da funcionária afirmou que houve apenas uma oferta, que não foi aceita. Confira a nota completa.

“Rogério Caboclo nega veementemente ter cometido qualquer ato de assédio. Embora ele reconheça que houve brincadeiras inadequadas e excesso de intimidade, é preciso deixar claro que essas decorreram do fato de que havia uma relação de amizade entre ambos, que a denunciante esteve várias vezes na casa dele, convivia com sua família e que ambos conversavam com frequência sobre assuntos de natureza pessoal. Mas jamais ele se aproximou fisicamente da denunciante, menos ainda fez qualquer movimento ou proposta no sentido de se aproveitar de forma libidinosa dela.

A denunciante omite o fato de que, por várias semanas, negociou acordo em torno da questão, e até constituiu advogado para tanto, tendo feito pedido inicial de 12 milhões de reais, em troca da não divulgação da gravação. Estranhamente, acabou por fazer a denúncia, três meses após a data em que realizou a gravação, e em dia de jogo oficial da Seleção Brasileira. Minutas de acordo foram comprovadamente trocadas, mas, ao que parece, ao final, a denunciante não se contentou com seus termos.”

Investigação

A situação do presidente se junta a outros problemas. Após a desistência de Colômbia e Argentina de serem sedes da Copa América, Caboclo ofereceu o Brasil, com apoio do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o que a Conmebol aceitou. Contudo, a situação desagradou aos jogadores da seleção brasileira e à comissão técnica de Tite, que pediram uma conversa com o dirigente e devem publicar manifesto sobre a situação na próxima terça, após o jogo com o Paraguai pelas Eliminatórias da Copa de 2022.

A denúncia contra Caboclo será analisada pelo Comitê de Ética da entidade e justamente por isso ele foi afastado do comando da CBF por 30 dias. Segundo o Artigo 21 do Código de Ética e Conduta do Futebol Brasileiro, ele pode receber apenas uma advertência ou até ser banido. São diversas sanções previstas, e segundo o Artigo 22, a “Comissão de Ética poderá recomendar ao órgão apropriado da CBF que proceda notificação às autoridades policiais e judiciais competentes” caso isso seja necessário.

Com informações do site Terra Notícias