1980-2020:  40 anos depois, rock não morreu
História do surgimento do gênero musical, em Goiânia, contada por uma testemunha ocular. Sob o clima de final da ditadura civil e militar, a mudanças nos costumes e a ‘Era da Aids’.

Renato Dias_ Vive l‘anarquie. Vive L‘anarquie.
O agudo do vocalista do ‘band leader’ do 17º Sexo, Mário Martins, ecoava.

17 Sexo: Punk, anarquismo e revolução

Inventiva, a mais original banda de garagem de Goiânia. Eram os turbulentos anos da década de 1980. Século 20.

O Brasil em processo de reconstrução de sua frágil República Democrática. Fraturada por um golpe de Estado civil e militar. Em 2 de abril de 1964. Uma noite que durou exatos 21 anos.

O rock’n roll surgiu na Capital de Goiás na década de 1970. Goiânia foi fundada em 1933. Pelo médico Pedro Ludovico Teixeira. Com a sua arquitetura inspirada na Art Déco. De Paris, França. Velho Mundo. Uma concepção desenvolvida pelo arquiteto e urbanista Attílio Correia Lima.

Markan Kamaralina: do rock ao sucesso empresarial com Ardrak, os cristais de gengibre vendidos em todo Brasil

Um pioneiro do estilo usava o nome artístico: Markan Camaralina. Autor de Rock de Cabedelo.

Língua Solta: rock, teatro, performance. Eram como os Mutantes porém, mais intensos e melhores

_ Já a revolucionária banda Língua Solta contava com Almir e Delcione.
Irreverente, meio punk, pós – Sex Pistols _ Pistolas Sexuais_, banda inglesa de 1975 que explodiu em 1977, com Johnny Rotten, um traço trash, o Fox Trot, com Samuel, arrebentou as estruturas conservadoras da metrópole. Som pesado, roupa preta, coturno, madeixas longas, despenteadas, performances com devaneios sexuais. Novidade naquelas épocas na cidade.
_ ‘Anjinho’ participou de uma cena antológica de sexo. Explícito.

Graduado em História, com formação esquerdista, um leitor dos barbudos Karl Marx e Friedrich Engels, do advogado de classe média, com um cavanhaque indefectível, Vladimir Ilich Ulia-nov, codinome Lênin, além do nascido em Yanovka, Ucrânia, Liev Davidovich Bronstein, nom de guerre Leon Trotsky, assim como de Antônio Gramsci. Perfil do professor Marcelo Benfica.
_ Um homem além do seu tempo. Quem? Marcelo Benfica.

Marcelo Benfica marcou a cena do rock com o Bar Banana, palco para todas as tribos

Bar da galera
Sindicalista, ele defendia melhores condições de salário, trabalho, liberdade dentro da sala de aula, adepto das ideias de Paulo Freire. Marcelo Benfica acabou demitido de seus empregos. Na rede particular de ensino. Em Goiânia. O caminho, alternativo, foi montar um bar. Descolado. No Setor Marista. De classe média. O ‘Banana’. Palco para grupos. De rock e punk.
_ Programação. Domingo à tarde. Imperdível. Com chuva ou sol.

Marca Registrada: ousadia

Marca Registrada, com Francisco Kleber Paulo Paes Landim, guitarrista e vocal; Lúcio Malagoni, guitarrista; Renato Marra, contrabaixo; Wagner Calil, bateria. O 17º Sexo teve ainda em sua formação Eládio Sá, guitarra e vocal _ com a inesquecível ‘Alquimia’_; Lúcio Malagoni; Renato Marra e Wagner Calil.

O Marca Registrada e o 17º Sexo possuía uma legião de seguidores.

João Júnior _ Joãozinho ou Cirurjoão – In memorian

_ Extensa lista. João Júnior [Cirurjoão], Sebastian Teatinni, Ricardo Dias, Emerson _ Lake e Palmer_, Paulo Anderson Garcia[Galinha] e Edilberto Dias eram chamados de ‘Redondos’.

Eclipse: Os “Krispes”, irmãos gêmeos da banda migrariam para o ramo de iluminação de palco, onde continuam mandando ver

Carlos Mello, Cláudio Mello, Rafeize e Serjão montaram o Eclipse. Com um toque refinado. Rivais do Marca Registrada e do 17º Sexo, eles foram apelidados de Krispes. Um clima pesado rolou entre os dois grupos. Depois, com a entrada em cena da turma do deixa-disso marcaram uma partida oficial. Para definir a pendência. Sem violência. Os ‘Redondos’ eram os favoritos.

_ Os Krispes ganharam o jogo. De futebol. No último segundo. Local: Colégio Marista. Depois, todos viraram amigos.

Antes, um mistério pairava no ar. Quem pichou a casa de Cláudio Mello e Carlos Mello?

O pai dos irmãos era delegado de polícia aposentado e advogado. Lúcio Malagoni teria sido o autor da façanha. Jadson Júnior flertava tanto com os Redondos quantos com os Krispes.

Restos da Cultura Proibida tocou fogo no cenário undergraund de Goiânia

Restos da Cultura Proibida pintaram no mercado underground. Com um som, balada e letras instigantes.

_ João Carlos [Joca], o ‘band leader’, Edson Lenine, Afonsim.

O tempo passa
O tempo passou. Mário Martins e João Júnior morreram. Lúcio Malagoni virou psiquiatra. Para cuidar das cabeças dos membros dos Redondos. Carlos Mello e Cláudio Mello, produtores artísticos e culturais. Francisco Kleber Paulo Paes Landim, procurador do Estado aposentado. Eládio Sá, cineasta.

17º Sexo – Segunda formação da icônica banda com Eládio Sá

Marcelo Benfica, mestre da UEG e professor da Secretaria de Educação.
_ Apesar disso, 40 anos depois, o rock não morreu.