A Associação Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil (ANABB) pediu ao Tribunal de Contas da União (TCU) que investigue a venda da carteira de crédito de R$ 2,9 bilhões para o BTG Pactual.

Como aponta o Estadão nesta quarta-feira 29/VII, o BB tem sido criticado por vender a carteira de crédito por apenas R$ 371 milhões.

Em ofício, o presidente da ANABB pediu ao TCU que se “debruce” sobre a legalidade dos negócios efetuados e verifique por meio de auditoria eventuais prejuízos aos acionistas. “O leilão é uma modalidade que permite ao BB ceder parte de seus ativos sem questionamentos a respeito de eventuais direcionamentos – até porque a empresa que adquiriu os créditos tem vínculos históricos com o Ministro da Economia. Por que este caminho mais adequado não foi obedecido?”, questionou o presidente da ANABB, Reinaldo Fujimoto, na carta ao TCU.

Pelas redes sociais, o ex-ministro e ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) também criticou a operação: “na maior fuga de capital da história, com todas as agências vendo que o Brasil está indo parar em liquidez na sua dívida pública, a aversão a risco é a maior da história e nossos ativos estão valendo nada. Vender qualquer coisa agora é picaretagem com ladroeira grande. Estão esquartejando o Banco do Brasil e vendendo por negociata!”, disparou Ciro.

 

Leia também:

Renúncia do presidente do Banco do Brasil é atribuída a denúncia de Ciro