Sites e revistas especializadas em economia noticiam interesse dos irmãos Batista na compra da Rede Globo, “de porteira fechada”.

De acordo com nota na revista IstoÉ Dinheiro, a maior rede de comunicação do Brasil, o grupo Globo, a julgar pela enxurrada de notícias do fim de semana, pode estar com os dias contados para sair do controle da família Marinho.

A especulação é que o grupo poderia ser comprado pela J&F, holding cotroladora da JBS, dos irmãos Joesley e Wesley Batista. A intermediação da compra seria feita pelo BTG Pactual.

O valor do negócio está na casa dos R$ 25 bilhões e envolve as transmissores da Globo do Rio de Janeiro,  São Paulo e Minas Gerais, além do streeming (Globoplsy e os canais GNT e associados).

Segundo matéria do IG Economia,  a J&S, que é líder mundial em produção de proteína animal,  tem um faturamento anual superior a R$ 200 bilhões.

“Uma das razões pelas quais o martelo não teria sido batido, pelo menos por enquanto, seria o interesse da família Marinho, controladora da Globo , em manter sua autoridade sobre a área de jornalismo do grupo. Pelo menos até o desfecho das eleições de 2022″, registra o IG.

A reportagem  do IG observa que o interesse da família Batista por uma posição que lhe garanta influência na mídia não é uma novidade. Em 2014, Joesley Batista , um dos donos do J&S , chegou a avançar nas negociações para a compra do jornal O Estado de S. Paulo e dos Diários Associados. Na época ele fez, também, uma proposta formal para compra do SBT, do empresário Sílvio Santos. Nenhuma das tentativas foi adiante. A possível presença no negócio do BTG Pactual, de André Esteves, a princípio apenas como intermediário da transação, também reforça a possibilidade do negócio.