Roquette Pinto tem mudanças na TV Escola, TV Ines/Libras e Cinemateca Brasileira.

O Brasil está entre os piores países do mundo na educação, conforme avaliações de organismos internacionais. É uma situação que persiste há décadas e vem piorando nos últimos governos. Os motivos são variados, má gestão, evolução da tecnologia e novos métodos de aprendizado. Estamos ficando para trás! Não vamos avançar tão cedo para o patamar de uma nação desenvolvida se esta realidade não mudar. Apesar deste cenário, muitas experiências de sucesso pelo Brasil afora mostram que há luz no fim do túnel. Uma delas são as mudanças em curso na TV Escola, da Fundação Roquete Pinto, feitas pelo jornalista Francisco Câmpera, Diretor-Geral da Acerp – Associação  de Comunicação Educativa Roquette Pinto.

TV Escolar

A TV Escola é uma delas. Sob a gestão da Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto (Acerp), a emissora se tornou uma ferramenta essencial. Para isso, busca o que há de mais moderno em educação no mundo para apoiar e difundir as melhores propostas dos governos federal, estaduais e municipais.

A nova grade de programação vai entrar no ar com programas como “Meia volta, vou ler”, sobre as escolas cívico-militares. Elas estão transformando escolas com alto índice de violência, estudantes envolvidos com o crime e tráfico de drogas, e baixo rendimento escolar, em modelos bem-sucedidos. Os resultados são surpreendentes! Basta citar as experiências no entorno de Brasília. Famílias e estudantes mudaram as suas vidas para melhor depois da implantação destas escolas. Por isso o Governo Federal está aplicando este projeto em áreas semelhantes.

Outro programa vai mexer com corações e mentes de mães de todo o Brasil. Ele é apresentado pela jornalista e escritora Mariana Rosa, autora do Blog “Mãe da Alice”, onde ela conta o seu cotidiano em Belo Horizonte com a sua filha que nasceu com paralisia cerebral. Ela vai fazer o mesmo na TV Escola, orientando mães e professores como cuidar das crianças. Ela também vai abordar outras histórias no Brasil de crianças com deficiência.

Também esta sendo produzindo um Reality Show da vida de estudantes e professores de uma escola pública real. Serão abordados temas como gravidez precoce, violência, aliciamento para o tráfico de drogas, relação com os pais, e ainda acompanhar a luta dos professores. São personagens reais com problemas verdadeiros.

A TV Escola vai apresentar caminhos para jovens com depressão que pensaram em suicídio. As taxas no Brasil crescem assustadoramente entre jovens de 15 a 29 anos; estão entre as mais altas do mundo.

Há  muitas outras novidades, como apoiar e exibir o Projeto Gol do Brasil, da CBF, que a partir de uma escola de futebol oferece suporte escolar a crianças e adolescentes carentes de todo o Brasil.

A TV Escola também levando a acessibilidade ampla – libras, legenda e audiodescrição (para deficientes visuais). A emissora vai mostrar o primoroso trabalho que o MEC, Ministério da Educação, vem desenvolvendo, como o revolucionário projeto de alfabetização, do qual a TV Escola está envolvida. São projetos que vão mudar para melhor a realidade do ensino no Brasil.

História

A Roquette Pinto é uma associação de natureza privada e também uma Organização Social Federal, que permite administrar bens e projetos públicos de forma privada. Há 94 anos o empresário carioca Edgar Roquette Pinto criou uma associação e lançou a primeira rádio do Brasil e inovou em várias áreas! Foi um dos primeiros cineastas brasileiros ao filmar expedições do Marechal Rondon pelas fronteiras do país e tribos da Amazônia. No início do século passado, Roquette Pinto falava em ensino a distância, que hoje é uma de nossas prioridades. Estamos ampliando o nosso sinal de TV aberta, satélite, internet, celular…para levar ensino a qualquer canto do Brasil.

Inclusão

A Tíquete Pinto faz também a gestão da TV INES/Libras, do Instituto Nacional de Educação dos Surdos, que tem agora sob direção um surdo, Paulo Bulhões. Ele está inovando conosco a TV Ines, que também tem à frente uma dirigente surda, Roberta Savedra. Esta inclusão é um pleito justo da comunidade de quase 10 milhões de pessoas no Brasil. A TV Ines é a única emissora em Libras da América Latina e uma das quatro do mundo exclusiva para surdos.

Cinemateca

A Roquette Pinto também responde pela gestão da Cinemateca Brasileira, desconhecida do público, mas com uma importância enorme para a nossa cultura e história. Ela é a nossa Biblioteca Nacional do vídeo. São 250 mil filmes como as antigas companhias Vera Cruz, Atlântida, a saudosa TV Tupi, o maior ou um dos maiores comediantes da história do Brasil, Mazzaropi, o inesquecível Canal 100, que mostrava o futebol através da arte do cinema, e filmes do Cinema Novo, entre tantos outros.

O ator e diretor Carlos Vereza está gravando um programa na Cinemateca, onde mostrará estas preciosidades para o público na TV Escola e TV Ines/Libras.

A nova gestão encontrou a Cinemateca sem alvará de incêndio, apesar do incêndio ocorrido em 2016. A primeira iniciativa que tivemos foi fazer as obras para garantir a segurança do local, uma construção história (antigo matadouro de São Paulo), numa área de 24 mil metros quadros, com seis mil metros de área construída, com três salas de cinema, sendo uma delas externa. Dos 245 mil rolos de filmes, cerca 80 mil apresenta sinais graves de deterioração, muitos à beira da morte. Apesar da importância para nós brasileiros, ela foi abandonada pelos governos anteriores.

Governo Bolsonaro

Todos estes projetos tocados pela Roquette Pinto nas áreas da educação e cultura são financiados pelo Governo Federal. Também estamos buscando recursos na iniciativa privada. O Governo Bolsonaro, por meio do Ministro da Cidadania, Osmar Terra, afirmou que vai investir na recuperação de todo o acervo dos 80 mil filmes, além de aumentar os recursos para a Cinemateca. Estamos convidando cineastas para participarem deste novo processo de recuperação de nossa memória nacional.

Transparência

A nova gestão assumiu a Roquette Pinto em fevereiro de 2019 e uma de nossas primeiras medidas foi a contratação uma empresa de auditoria internacional de ponta, para auditar os últimos quatro anos e a nossa própria gestão. Esta empresa nos ajudou a implantar um moderno sistema de governança e compliance, além de um código de ética.

Ainda foi criada a Ouvidoria interna e externa. E um setor de acessibilidade para prestar serviços para cinema e televisão, que são obrigados por lei a cumprir uma cota para deficientes visuais e surdos.

.O diretor-adjunto, Eduardo Mello, foi informado que jovens em estado de vulnerabilidade, que vivem em favelas do Rio de Janeiro, buscam deixar as suas ocupações na comunidade quando o programa “Hora do Enem” está no ar. Eles querem mudar de vida por meio da Educação assim como milhões de Brasileiros. Esta é a missão da Roquette Pinto há quase um século, e o propósito de todos os seus colaboradores, que são apaixonados pelo seu trabalho.