O WhatsApp admitiu, pela primeira vez, o envio ilegal de mensagens em massa nas Eleições de 2018, com sistemas automatizados contratados por empresas. A disputa presidencial foi protagonizada pelos candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), com vitória do primeiro. As informações são de uma reportagem do jornal Folha de S.Paulo desta terça-feira (8).

Durante uma palestra no Festival Gabo, o  executivo do WhatsApp, Ben Supple, gerente de políticas públicas e eleições globais , criticou os grupos públicos acessados por meio de links que disseminam conteúdo político e aconselhou os usuários a denunciá-los. “Vemos esses grupos como tabloides sensacionalistas, onde as pessoas querem espalhar uma mensagem para uma plateia e normalmente divulgam conteúdo mais polêmico e problemático”, afirmou. “Nossa visão é: não entre nesses grupos grandes, com gente que você não conhece. Saia desses grupos e os denuncie”.

“Na eleição brasileira do ano passado houve a atuação de empresas fornecedoras de envios maciços de mensagens, que violaram nossos termos de uso para atingir um grande número de pessoas”, reiterou Ben Supple. Ele informa que desde o período eleitoral, o aplicativo tem feito mudanças que buscam combater a disseminação de fake news.

Ben Supple disse ainda que a empresa desencoraja o “uso de grupos como listas de transmissão de conteúdos”, como ocorre em muitos grupos de apoiadores de políticos. Ele explicou, no entanto, que o uso do WhatsApp por campanhas políticas não viola os termos de uso da plataforma, desde que não sejam utilizados métodos de automação e envio massivo. Vale ressaltar que disparar mensagens em massa a partir de sistemas automatizados é uma prática proibida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O executivo reconheceu a influência do app em processos eleitorais. “Sabemos que eleições podem ser vencidas ou perdidas no WhatsApp”, afirmou Supple, que destacou as medidas que a empresa tem adotado para bloquear contas que infringem as normas ao fazer envios automatizados em massa. Segundo ele, desde que o número de encaminhamentos de uma mensagem foi limitado a, no máximo, cinco pessoas ou grupos, a taxa total de reencaminhamentos caiu 25%.

CPI das fake news

O avanço da CPI da Fake News, que tramita no Senado,  tem preocupado o governo Bolsonaro, já que as convocações seguem na direção de marqueteiros e empresários suspeitos de financiar ataques virtuais que alteraram o resultado das urnas.

E as convocações estão cada vez mais próximas do Planalto. Rebecca Félix da Silva Ribeiro Alves, que hoje é assessora do Palácio do Planalto, foi convocada para depor. Ela trabalhou durante a campanha na casa do empresário Paulo Marinho, apoiador de Bolsonaro, que admitiu em entrevista que atuou para o disparo de informações falsas. Leia a íntegra da reportagem aqui.

Com informações do Brasil 247 e TechTudo

Veja a matéria completa na FOLHA

Leia também:

Rede de fake news com robôs pró-Bolsonaro mantém 80% das contas ativas

Confira no Conversa Afiada:

CPMI das Fake News: Frota prepara “vasto material” que atingirá o governo