Doações podem auxiliar adequação da fábrica e aquisição de equipamentos para incorporação da tecnologia da vacina, tornando o espaço operacional nos primeiros meses de 2021

Uma coalisão de empresas e fundações está formulando uma proposta de doação de recursos para aquisição de equipamentos e adaptações nas atuais instalações do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos da Fiocruz (Bio-Manguinhos/Fiocruz).

A unidade será destinada à produção da vacina para Covid-19, desenvolvida pela Universidade de Oxford, por meio do acordo com a AstraZeneca.

Tais investimentos, no valor de aproximadamente R$ 100 milhões, somariam-se aos recursos aprovados pela Medida Provisória, no valor de R$ 1,9 bilhão, editada pelo Governo Federal em favor da Fiocruz na última quinta-feira (6/8). Essas pequenas adaptações na infraestrutura tecnológica de Bio-Manguinhos serão importantes no recebimento do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) para processamento final (formulação, envase, rotulagem e embalagem) e incorporação integral da tecnologia para a produção da matéria prima no Brasil. A previsão é que as adequações e aquisição de todos os equipamentos estejam concluídos até o começo de 2021.

Caso a doação se conclua, o valor de R$ 95,6 milhões (destinado à Fiocruz por meio da Medida Provisória assinada) seria devolvido aos cofres públicos ou aplicado em outras frentes produtivas, uma vez que essa destinação fosse aprovada pelo Ministério da Saúde.

Dentre as empresas que fazem parte dessa coalização, estão as Americanas, Ambev, Itaú Unibanco (Todos pela Saúde), Stone, Instituto Votorantim, Fundação Lemann, Fundação Brava e a Behring Family Foundation.