Nesta segunda-feira (19), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) iniciou o estudo Brace Trial Brasil (BTB) para avaliar os efeitos da vacina BCG na redução dos impactos da COVID-19 em trabalhadores de saúde.

A Fiocruz inicia, nesta segunda-feira (19/10), o Brace Trial Brasil (BTB), estudo com a vacina BCG que visa reduzir o impacto do Covid-19 em trabalhadores de saúde. O recrutamento dos voluntários será realizado na Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS) e os interessados devem realizar pré-cadastro pela internet.

A BCG (Bacillus Calmette-Guérin) é umas das principais vacinas utilizadas no mundo. Aplicada anualmente em cerca de 120 milhões de recém-nascidos, além de prevenir as formas graves de tuberculose na infância, a BCG também pode gerar resposta imune protetora inespecífica contra outras infecções.

Liderada no Brasil pela Fiocruz, a pesquisa tem previsão de incluir dois mil voluntários em Campo Grande e mil no Rio de Janeiro. O estudo, que conta com parceira da Caixa de Assistência dos Servidores do Mato Grosso do Sul (Cassems) e da Secretaria Estadual de Saúde, é coordenado pelo médico infectologista e pesquisador da Fundação e da UFMS,  Julio Croda.

Antes de receber a vacina, os voluntários passarão por entrevista e testagem sorológica. Todos serão acompanhados pela equipe de pesquisa por até um ano, por meio de ligações telefônicas semanais. Caso apresentarem qualquer sintoma de Covid-19, poderão fazer a coleta do swab nasal para avaliar a presença de Sars-Cov-2. Além disso, retornos trimestrais serão agendados para verificar, por meio da sorologia, a presença de possíveis infecções assintomáticas.

Poderão participar do estudo trabalhadores da saúde, tais como enfermeiros, médicos, técnicos, fisioterapeutas, recepcionistas e porteiros, maiores de 18 anos.  Outros critérios para ser voluntário são não ter sido infectado pela Covid-19 e não estar participando de outro ensaio clínico.

Brace Trail

Brace Trial é um ensaio clínico de fase III, que tem como objetivo avaliar se a vacinação ou revacinação com BCG pode reduzir o impacto da Covid-19 em trabalhadores de saúde, população mais exposta ao novo coronavírus. No total, o estudo irá vacinar 10 mil voluntários na Austrália, Reino Unido, Espanha, Holanda e Brasil. Mundialmente, o projeto é liderado pelo pesquisador australiano Nigel Curtis, do Murdoch Children’s Research Institute, e financiado pela Fundação Bill e Melinda Gates (Gates Foundation).

Vacina BCG

Além de oferecer proteção contra tuberculose, ensaios clínicos realizados em diversos países apontam a ação da vacina BCG em outras infecções. Um ensaio clínico da Activate, na Grécia, de revacinação com BCG em idosos demonstrou uma redução de 79% de infecções respiratórias após um ano de acompanhamento.

Na Guiné-Bissau, uma pesquisa verificou que a vacina BCG reduziu em 38% as mortes em recém-nascidos no país, principalmente ao diminuir os casos de pneumonia e sepse. Na África do Sul, estudos mostraram que a vacina reduziu em 73% nas infecções no nariz, na garganta e nos pulmões.