Thierry Meyssan, analista de geopolítica do site Voltaire Net revela documento sobre reunião do CSIS, entidade norte-americsna que representa o lobby de empresas de armamento e petróleo, na qual foi tramada a invasão militar na Venezuela.

Em 10 de Abril de 2019, o Center for Strategic and International Studies (CSIS), um “think-tank” ligado à indústria militar e petrolífera, organizou em Washington uma mesa redonda, à porta fechada, para avaliar a utilização de Força militar na Venezuela (Assessing the Use of Military Force in Venezuela).

Segundo a Grayzone [1], umas quarenta pessoas participaram nela, entre as quais os principais conselheiros da Administração Trump sobre este assunto, representantes do autoproclamado Presidente da Venezuela, Juan Guaidó, e funcionários do Brasil, da Colômbia e da Guiana.

Elliott Abrams foi representado pelo seu amigo Roger Noriega (o autor da lei Helms-Burton contra Cuba, em 1996).

Os responsáveis pela organização do fluxo de emigrantes e a entrada da ajuda alimentar estavam igualmente presentes.

O antigo comandante do Comando dos EUA para a América do Sul (SouthCom), o Almirante Kurt Tidd, do qual tínhamos revelado —antes da tentativa de derrube do Presidente Maduro— uma nota secreta sobre o assunto [2], participou na reunião.

 

[1] “US Military Attack on Venezuela Mulled by Top Trump Advisors and Latin American Officials at Private DC Meeting”, by Max Blumenthal, Grayzone, April 13, 2019.

[2] “Plan to overthrow the Venezuelan Dictatorship – “Masterstroke””, by Kurt W. Tidd, Voltaire Network, 23 February 2018. “O “Golpe de Mestre” dos Estados Unidos contra a Venezuela (Documento do Comando Sul)”, Stella Calloni, Tradução Alva, Rede Voltaire, 13 de Maio de 2018