As infecções pela COVID-19 em adultos de todas as idades caíram 80% e as mortes pelo vírus caíram 90% cinco semanas após a primeira dose das vacinas da Pfizer/BioNTech, Moderna ou AstraZeneca na Itália, de acordo com um estudo italiano.

Do Sputinik Brasil

O primeiro estudo deste tipo feito por um país da União Europeia sobre o impacto real de sua campanha de vacinação foi realizado pelo Instituto Nacional de Saúde (ISS, na sigla em italiano) e Ministério da Saúde da Itália em 13,7 milhões de vacinados em todo o país.

Cientistas estudaram os dados desde o dia em que se iniciou a campanha de imunização na Itália, em 27 de dezembro de 2020, até 3 de maio de 2021. A análise mostrou que o risco de infecção, hospitalização e morte pela SARS-CoV-2 diminuiu progressivamente após as duas primeiras semanas desde o início da vacinação no país.

“Após 35 dias desde a primeira dose há uma redução de 80% nas infecções, redução de 90% nas hospitalizações e de 90% nas mortes”, disse o ISS, adicionando que foi observada uma situação igual em homens e mulheres, independentemente da idade.

“Estes dados confirmam a eficácia da campanha de vacinação e a necessidade de alcançar toda a população rapidamente para acabar com a emergência”, afirmou o presidente do ISS, Silvio Brusaferro, citado no comunicado.

Entre os quase 15 milhões de pessoas estudadas, 95% tomaram duas doses das vacinas da Pfizer e Moderna, enquanto ninguém dos que receberam o imunizante da AstraZeneca tomou segunda injeção.

Até agora, a Itália segue as recomendações dos fabricantes, dando a segunda dose da Pfizer três semanas após a primeira injeção, a segunda da Moderna após um intervalo de quatro semanas e uma segunda dose da AstraZeneca após 12 semanas.

Até a manhã de sábado (15), cerca de 8,3 milhões de italianos, ou 14% da população, foram completamente vacinados, enquanto cerca de 10 milhões de pessoas receberam a primeira dose de imunizante, segundo Reuters.