Governador Ronaldo Caiado disse que lockdown está baseado nas projeções da UFG sobre avanço acelerado do covid19 e dados da SES sobre vagas nos leitos de UTI.

Durante video-conferência com o governador Ronsldo Caiado, prefeitos e autoridades dos três poderes, foi apresentado estudo sobre a situação do coronavírus no Estado. O debate foi acompanhado pela TBC (TV Brasil Central). Cientistas da Universidade Federal de Goiás (UFG), mostraram um mapeamento da possível situação da expansão da Covid-19 em Goiás pelos próximos dias e meses, segundo o qual se tudo continuar aberto como agora pode haver um colapso na saúde no fim da primeira quinzena de julho e até setembro seriam 18 mil mortes.

O estudo levou em consideração o baixo isolamento social aqui na capital.

O professor Thiago Rangel (foto) da UFG, disse que “se tudo for mantido como está chegaríamos no final de setembro com aproximadamente 18 mil óbitos”.

Ele afirmou que estava destacando este número, porque, sendo goiano, “quero dizer que, como cidadão e pesquisador, como membro da comunidade, este número é absolutamente inaceitável”.

E deixou gravada o que considerou a primeira mensagem clara de sua fala: “Deixar como está não é aceitável, é impossível, é imoral”.

professor Thiago Rangel da UFG

Secretário da secretaria Estadual da Saúde (SES),  Ismael Alexandrino, disse ainda que, para a medicina, os números atuais de ocupação das UTIs em Goiás é considerado crítico.

“O ideal de UTI é funcionar com até 85%”, afirmou, acrescentando que nos próximos dias há previsão de entrega de mais leitos de UTI, “mas vai ficar longe do ideal previsto pelos técnicos da UFG que é de 2 mil leitos disponíveis para o pico da pandemia”.

A cobertura completa sobre o tema está disponível no canal da TV Brasil Central no YouTube, em youtu.be/tDyAV4BB0rk.